12 de ago de 2008

Entrevista com o "Bruxo" José Roberto Abrahão: Como me Tornei Parceiro Musical de Raul Seixas !!!

Entrevista com o "Bruxo" José Roberto Abrahão:

Como me Tornei Parceiro Musical de Raul Seixas !!!


Advogado, jornalista e escritor, José Roberto Romeiro Abrahão foi um grande amigo de Raul Seixas. Compôs com o roqueiro a música "A Pedra do Gênesis", lançada em 1988 no último trabalho solo do cantor, além de "Angel", ainda inédita. Abrahão teve um relacionamento curioso com Raul Seixas, momentos estes relatados nesta entrevista, feita em março de 1997.

- Como foi o processo do primeiro encontro entre você e o Raul Seixas?


- Na década de 70, quando eu já estudava magia, as músicas do Raul Seixas, em especial as quais ele foi parceiro do Paulo Coelho, me despertavam atenção por justamente tratarem de temas relacionados ao ocultismo. Deixo claro que o ocultismo que eu estudava na década de 70, que era chamado também de esoterismo, não tem nada a ver com o esoterismo atual.

- Basicamente, qual é a diferença do esoterismo de hoje e o esoterismo de antigamente?

- Não pretendo falar mal de ninguém, respeito a fé e as convicções de toda natureza de qualquer pessoa, mas principalmente, só deixo claro um parênteses, porque a maioria das pessoas que travarem contato com a palavra esoterismo, vão achar que se trata disso, mas o esoterismo de hoje é só uma religiãozinha, não no sentido pejorativo da palavra, mas no sentido de que é uma coisa menor, uma coisa não codificada, na qual as pessoas buscam soluções, buscam alívios para os seus problemas e buscam uma forma de manifestar sua fé. A minha colocação e relação na distinção que há entre o esoterismo que eu estudava com o esoterismo que é chamado hoje, é que o esoterismo do meu tempo era uma religião como qualquer outra na qual os sacerdotes das religiões tradicionais, seja cristianismo, budismo, ilamismo ou judaísmo eram pessoas que passaram por muitos anos de treinamento sacerdotal, por muitos anos de estudos, o que tem um estudo equivalente a uma faculdade, normalmente uma pós graduação, um mestrado e um doutorado dentro da sua religião, pra depois pregar sua fé, muitas vezes em outras nações e outros continentes. Hoje, as pessoas lêem alguns livros, assistem a dois ou três cursos ou palestras e começam a praticar rituais, cerimônias coletivas, batizar, casar, etc. Isso pode ser só uma manifestação de fé, mas demonstra uma ousadia que prejudica mais que ajuda a todos os envolvidos. A pessoa, imaginando-se um Mago ou Sacerdote, invoca a ajuda de Anjos ou Demônios, Deuses e Deusas da antiguidade, e pedem que eles, as Entidades, influenciem na vida das pessoas. É uma religião onde você tem uma série de premissas, superstições, preceitos, dogmas e tabus, como qualquer outra.O esoterismo que eu estudava era distintivo diso. Tinha filosofia. Hoje é cru.

- Voltando à questão do primeiro contato com o Raul...

- Isso! A mensagem oculta contidas nas músicas de Raul Seixas na década de 70 me chamavam a atenção. No início da década de 80, eu estava ligado a algumas pessoas que eram ligadas à Ordo Templi Orientis, a O.T.O., no Brasil. Inclusive uma dessas pessoas, onde faz anos que não tenho contato, era um grande ocultista, tenho por ele um grande respeito, o nome dele é Wanderley Paes Yanomini. Ele tinha sido Iniciado na O.T.O. por Marcelo Ramos Motta, que foi quem iniciou Raul Seixas e Paulo Coelho na O.T.O., e ele me contou a respeito do lado mágico de Raul Seixas e Paulo Coelho, que eram iniciados na O.T.O., inclusive comentou que Raul Seixas era um grande iniciado, comentou a respeito das dúvidas que eu tinha sobre o cunho ocultista das músicas do Raul e me despertou muito meu interesse em conhecer o Raul Seixas e achei que deveria buscar este contato, mas fiquei na minha, só na vontade, não fiz nada a bem da verdade para conhecê-lo. Nunca fui na verdade, na acepção da palavra, um fã do artista Raul Seixas, nunca fui em um show dele, mas gostava da arte dele. Achava muito difícil me aproximar de um artista com este intuito, porque obviamente eu seria recebido como mais um fã, onde não era exatamente o meu caso. Deixei a coisa arquivada no meu inconsciente. Se não me engano, em 1986, saiu uma matéria no jornal Shopping News, jornal de circulação local daqui de São Paulo, sobre um livro do parceiro mais importante de Raul Seixas, era o novo livro de Paulo Coelho, intitulado " O Diário de Um Mago". Sabendo que ele morava no Rio de Janeiro, pensei comigo mesmo, era essa a pessoa que eu deveria conhecer, porque ele poderia me esclarecer dúvidas ainda que existiam com relação às músicas compostas com Raul e também poderia ser uma pessoa que poderia me apresentar para o Raul de uma forma ligada ao ocultismo, não como fã. Liguei pra um amigo meu no Rio de Janeiro, Fernandes Portugal, que é um sociólogo, professor na Universidade do Rio de Janeiro e também na Universidade de Havana, em Cuba, e ele disse que conhecia o Paulo Coelho, que era amigo dele e me passou o telefone do Paulo Coelho. Naquele dia mesmo, pouco tempo depois, liguei pra lá e quem me atendeu foi Christina Oiticica, esposa do Paulo; ela me disse que o Paulo estava em viagem na Europa e voltaria em quatro meses. Cerca de quatro meses depois eu liguei, o telefone tocou algumas vezes e daí atendeu o próprio Paulo. Me senti surpreso, porque ele estava entrando naquela hora vindo daquela viagem na Europa. Conversamos meia hora e ficamos amigos por telefone. Depois de umas cinco ou seis vezes que eu havia conversado com ele, sempre por telefone, manifestei a ele o interesse em conhecer o Raul. Ele falou que iria arrumar uma oportunidade para isso. Numa das outras vezes que eu estava falando com ele, até era de noite, por volta das 21:30 horas e ele disse: "Vamos tentar ligar pro Raul agora"! Havia algo que o Raul precisava, uma informação que eu teria condição de fornecer a ele na época, foi em 1987. Ele pegou o telefone e ligou pro Raul. Ele estava falando comigo numa linha, ele tinha dois telefones em casa, pegou o outro telefone e ligou pro Raul comigo na linha e falou uns cinco minutos com Raul: - Olha, tem um amigo meu em São Paulo e ele tem condições de dar uma orientação, o nome dele é José Roberto Abrahão. Desliguei a ligação com Paulo, liguei pro Raul, combinei com ele que no dia seguinte iria lá e no dia seguinte ele foi me receber na porta. Ele morava no Butantã e foi assim um contato como se nós tivessemos nos conhecidos há muito tempo.

- Como ocorreu a composição da música "A Pedra do Gênesis", realizada por você, Raul Seixas e Lena Coutinho, a última esposa de Raulzito?

- Entre nós, eu e Raul, travou-se uma amizade muito sólida, tínhamos muitos pontos em comum, muitos divergentes em termos de magia. Conversamos bastante, trocamos literaturas, xerox de livros raros e outras coisas. Ele me perguntou se eu não gostaria de ser parceiro dele, se eu não teria alguma coisa pra dizer em música. Eu disse que ficaria muito honrado, mas nunca tinha pensado nesta oportunidade. Então ele disse que tinha o LP A Pedra do Gênesis, mas não tinha a música título. Ele me perguntou se não ficava mal e eu disse que achava que não. Então ele disse que gostaria de fazer uma música-título. Começamos a colocar algumas idéias, algumas filosofias minhas, então acabei me tornando parceiro de Raul Seixas, graças a insistência e a benevolência dele de pegar uma pessoa sem nenhuma experiência e transformar num parceiro. Caso da Lena Coutinho e de outras de suas ex-mulheres: ele as fez parceiras musicais apenas por bondade, em homenagem a serem parceiras na cama... o Raul era quem compunha, e colocava quem ele queria como parceiro! Foi assim comigo, por pura amizade fraternal, e com tantos outros. Quem compôs, mesmo, meritoriamente, com Raulzito, foram Paulo Coelho, Cláudio Roberto e Marcelo Nova. O resto, incluindo o seu ex-mestre Marcello Motta, foram (ou fomos) todos parceiros por simples benevolência de Raulzito. Essa é a verdade. Me honrou, ao fazer algo que compositor algum faz, dividir uma criação sua com um amigo. Essa grandeza de Raulzito era uma coisa fantástica. Era um cara maior que a vida!

- Além da música A Pedra do Gênesis, houve outra composição musical, que por alguma circunstância não veio a ser gravada?

- Entusiasmado na experiência que foi compor com ele, acabei fazendo um pequeno verso em inglês, cujo nome é " Angel". Levei pra ele e disse que gostaria de musicá-lo. Foi uma experiência impressionante, porque o Raul pediu que eu ligasse o gravador, pois ele tinha um semi-estúdio improvisado em casa. Liguei o gravador, ele sentou numa cadeirinha, pegou o microfone, botou perto, pegou o violão e falou: - "Escreve a letra aqui no papel." Era um caderninho. Escrevi, ele deu dois acordes e no terceiro acorde ele começou a compor a música e já saiu cantando a letra. A música saiu de primeira em menos de dois minutos. Então foi uma prova inconteste da genialidade dele, de alguém que realmente bebia na fonte. Impressionante. Depois essa música acabou ficando inédita, porque o Raul tinha planos de gravar um LP todo em inglês e nesse meio tempo a música tinha sido colocada na partitura, no papel. Meu amigo Marcelo Nova não se interessou por gravar, a Rita Lee que é minha amiga não se interessou, Guilherme Arantes não se interessou, nem o Malcolm Forest, e essa música foi ficando inédita, aguardando alguém que tenha a disposição talvez de pegar e acender essa chama que o Raul carregou, porque a música é muito mais dele do que minha. Além da melodia ser dele, a inspiração para que eu compusesse o poema, foi toda dele.

- Antes do LP A Panela do Diabo ser lançado, no dia 22 de agosto de 1989, um dia depois que Raul faleceu, você já sabia que a música Carpinteiro do Universo seria dedicada a você?

- Não. Eu sempre tive a mania, especialmente magicamente, de auxiliar as pessoas, muitas das quais à revelia, sem que elas soubessem. Pessoas envolvidas com álcool, com drogas e com problemas que elas mesmas causavam, tentando ajudar a resolver, porém poucos meses depois elas mesmas acabavam gerando os mesmos problemas novamente e eu ficava aborrecido com essa situação. Um dia eu estava desabafando com o Raul, dizendo na casa dele no Butantã que me sentia como um "carpinteiro do universo", porque eu tinha vontade de arrumar e consertar tudo e parecia que não davam chances! Ele olhou pra mim com um olhar matreiro e disse que podíamos fazer uma música disso e eu disse que poderíamos tentar. Ele parou um pouco, escreveu no papel uma coisa, escreveu outra e disse: - O que você acha assim: eu estou preocupado em limpar as unhas de alguém que estão sujas, de cortar o cabelo das pessoas. Eu disse que não era essa a figura. A figura é mais assim de querer sempre mudar a direção do trem. Ele disse: - Então você não gostou desse enfoque? Eu disse que não e nunca mais falamos no assunto. Na sexta feira, dia 18 de agosto de 1989 eu ia até o consultório do Dr. Luciano Stancka e Silva, que é um médico meu amigo que eu havia apresentado para o Raul e que passou a ser o médico que estava acompanhando o Raul na época. Eu havia combinado com o Raul que iríamos nos encontrar no consultório do Dr. Luciano. Liguei pra ele depois do almoço e ele disse que iria só na segunda-feira. Eu disse que estava bom e que a gente se viria na segunda-feira. No domingo à noite, estava até frio, eu normalmente não sinto frio, estava dentro de casa, estava de camisa e por cima da camisa coloquei um colete, onde tinha dois bolsos grandes na frente. Eu estava simultaneamente lendo dois livros, tenho costume de ler dois ou três livros ao mesmo tempo, normalmente livros técnicos que leio, leio pouca literatura. Eram livros sobre magia, um deles chamado The New Magus, de Donald Tyson, um autor hoje consagrado, o outro era "Liber Null and Psychonalt", (Livro nulo e Psiconauta). Psiconauta é um termo cunhado neste livro que quer dizer um indíviduo que mergulha psiquinamente, que são os psiconautas, comparando com os astronautas; o autor é Peter James Carroll, que é meu amigo, nos correspondemos ocasionalmente e é o fundador do Círculo do Caos e do I.O.T. - Iluminado de Tanateros. Tanateros seria uma entidade metamórfica, fundindo Tanatos, que é o deus da morte, e Eros, o deus do amor e do sexo. O primeiro trabalho público deste grupo foi exatamente esse livro chamado Liber Null and Psychonalt. Então eu estava lendo um capítulo do The New Magus, a respeito de construção de guardiões, construção assim no sentido psíquico, aonde você mediante alguns exercícios psíquicos constrói mentalmente uma entidade no plano astral e no plano mental pra uma determinada finalidade, no caso os guardiões com a finalidade de proteger alguém. Meses anteriores já havíamos tido contatos com o Deus Anubis, o Deus da morte egípcio, que estava muito próximo de Raul e esse Deus construía um caixão pro Raul dizendo que a hora dele estava chegando e a gente tentava demovê-lo dessa idéia, dessa coisa louca, tentando num plano mental demover essa Divindade desta construção. Eu sabia intimamente que quando este caixão estivesse construído o Raul teria que partir. Esse trabalho era feito em grupo e a gente tinha uma série de procedimentos para proteger o Raul para que ele pudesse resistir aos problemas de saúde sérios de que padecia, como uma diabetes seríssima e a pancreatite crônica. Nesse capítulo, como estava dizendo, eu lia sobre a construção de guardiões e me veio na mente um guardião com asas enormes, com corpo como de um dragão, mas logo a seguir no mesmo capítulo dizia: Cuidado com o guardião que você constrói para alguém, porque se esta pessoa estiver fraca, o guardião pode vir por destruir essa pessoa, pode ser como um animal muito grande em cima de alguém. Eu fiquei receoso por realizar este procedimento e causar um prejuízo maior para o Raul e fechei este livro, abrindo mais um capítulo do livro Liber Null and Psychoanal. Já este novo capítulo dizia a respeito do encantamento final, ou seja, da extrema-unção. Uma inspiração e alguém me disse que eu copiasse num papel aquele encantamento final que iria utilizá-lo. Segui a orientação e guardei o papel no bolso daquele colete. Claro está que não gostei do presságio. No dia seguinte quando acordei, me recuperava de uma hepatite violenta que eu tive em dezembro de 88, estava num processo de recuperação, liguei de manhã cedo pra casa do Raul e a Dalva que era a secretária dele atendeu e disse: - Zé Roberto, eu acho que o Raul morreu! Eu disse: - Você tem certeza? Ela disse que não, então eu falei: Então você vai lá, pega um espelho, coloca debaixo das narinas dele e vê o que acontece. Se a pessoa estiver viva, o espelho irá embaçar com a respiração da pessoa, ainda que fraca. Pouco tempo depois ela voltou e disse: - Não acontece nada. Então eu disse: Não fale com ninguém, que eu vou ligar para o Marcelo (Nova), para o Albertino, que na época era empresário de ambos e para o Dr. Luciano e depois eu vou aí. Não fala com ninguém, porque se não vai ser uma loucura, vai encher de maluco... Então liguei para o Marcelo que se comunicou com o Albertino, onde iriam direto para lá e peguei um táxi, fui buscar o Dr. Luciano no consultório e fomos para o apartamento do Raul. Chegamos lá, realmente ele estava morto, deitado na cama, do lado dele um bastão mágico, que eu tinha presenteado a ele. Pedi licença, encostei a porta e li este encantamento final, dei a extrema-unção pro Raul Seixas. Eu senti que naquele momento de alguma forma ele se libertou. Foi uma experiência muito forte pra mim, que demorei alguns anos pra me recuperar totalmente, porque eu tinha uma grande amizade por ele, era um grande cara e um grande gênio contemporâneo. Só no dia seguinte, terça-feira, dia 22 de agosto, que fiquei sabendo do lançamento do disco da dedicatória a mim. Foi assim uma coisa surpreendente, mas que a gente poderia esperar do Raul Seixas.

- Você foi então a primeira pessoa a saber que ele teria falecido?

- Sim ,fui eu a primeira pessoa.

- Tratando-se até mesmo de uma curiosidade de vários leitores, como estava o corpo do Raul Seixas?

- O Raul estava de pijama comprido, de mangas compridas, com listas beges ou marron e do tom pastel. Ele estava sentado na cama, que era chamada de cama de viúva, uma cama de solteiro mais larga. Então ele estava como ele estivesse se levantando, sentado na parte da frente da cama, na parte próxima dos pés da cama, no meio, com os pés e pernas para fora da cama e deitado em direção da parte da cabeça da cama. Como se estivesse na posição de deitado normal, só que com as pernas fora, com os pés encostados no chão. Deitado de costas, com os olhos abertos, olhando pro nada.

Na sua opinião, o Raul teria falecido enquanto estava dormindo?

- Eu até conversei muito com o Dr. Luciano e o que talvez tinha acontecido teria sido que ele teria sofrido uma crise aguda de pancreatite com uma crise de insulina. Talvez ele tenha se sentido mal após dormir, tenha levantado e depois sentado na cama ou ele tenha sentado na cama, deitado e tenha morrido durante o sono. São as duas possibilidades, e deve ter ocorrido durante a madrugada.

- Outro fato que gostaria que você expressasse sua opinião, seria quanto `aquela sustentação de várias pessoas de achar que Raul teria tido um pacto com o Diabo. Como um grande estudioso esotérico, qual o seu ponto de vista?

- Olha, pacto com o Diabo existe? Não sei! Acho que tudo que pode existir na cabeça dos homens, pode existir na realidade. Só que se o Raul tivesse tido um pacto com o Diabo, primeiro que ele teria se tornado um homem rico, segundo, ele teria tido muita saúde e terceiro que ele seria um homem muito feliz. Raul morreu pobre, abandonado pelo séquito de aproveitadores que o cercara na opulência. Sua saúde estava detonada. Ele não era um homem feliz, era muito solitário, que passara por muitos casamentos ruins, que realmente sentia muita falta de uma companhia. Era um homem cheio de problemas, abandonado por muitos amigos durante a carreira e a vida e morreu sem nenhum patrimônio, sem um carro, sem um imóvel, sem dinheiro, sem nada. O que ele tinha guardado, no fim da vida, foi fruto de 50 shows ininterruptos que realizou na companhia de Marcelo Nova, um grande caráter. Então, que tipo de Demônio, de Diabo que poderia fornecer um pacto tão minúsculo e ainda por cima ele morrendo tão jovem, com menos de cinquenta anos de idade... Acredito sim, na possibilidade que eu comento no meu livro chamado O Quarto Segredo, que é dedicado a memória de Raul Seixas, a referência de políticos do passado, especialmente no caso de Adolf Hitler, que teria feito um pacto com o Diabo e não foi uma coisa que eu pesquisei sozinho. Eu duvido que o Diabo pode criar talento, porque o talento é algo divino e o Raul já nasceu talentoso, isso as pessoas que conviveram com ele na infância, na adolescência concordam com isso. Eu acredito que o Diabo possa criar fortunas a partir deste talento, ou então artistas que a gente vê gerados a partir da falta de talento, onde seria uma coisa realmente diabólica. Raul não, porque ele era Iniciado e um Iniciado não faria um pacto com o Diabo ou qualquer tipo de pacto, porque um iniciado sabe as consequências dessas coisas e o preço disso seria muito alto.

- Como você analisava o relacionamento de Raul com Lena Coutinho, sua última esposa. Dentro desta mesma questão, Raul chegou a desabafar contigo os seus problemas pessoais, tanto atual quanto ao passado, em relação às ex-mulheres?

- Seu relacionamento com a Lena... bem, ele um dia me disse "Lena Coutinho odeia Raul Seixas..." que mais eu posso dizer...
Ele planejava casar-se novamente com a Kika e mudar-se para o Rio, onde tinha muitos amigos. Em SP, só eu, o Marcelo Nova, o Sylvio Passos, o Miguel Cidras, o Edinho, e uma meia-dúzia. No Rio de Janeiro tinha mais amigos, o Jerry Adriani, o Paulo Coelho, o Cláudio Roberto, muita gente.
Não, do passado, Raul não dizia nada, não era homem de olhar para o passado. Vivia adiante do seu tempo.

0 comments


Origem do documento:
http://raulsantosseixas.multiply.com/journal
Beleza!



Reportagem sobre o Disco Krig Ha Bandolo feito na TV em 13/09/2007 (Parte 2/4)
3 minutes, 3 comments


Reportagem sobre o disco Krig Ha Bandolo (na TV em 13/09/2007) - Parte 1/4
10 minutes, 1 comment


Metrô linha 743 (Montagem)
3 minutes, 3 comments


Raul Seixas "A Natureza Está Certa".
42 seconds, 1 comment

é isto ae...Dalhe rAUL!!! aBRAÇO

2 comentários:

Venâncio Rock and Roll disse...

Olá..bem legal esta entrevista, muito real..e verdadeira..e novamente colocanco nomes aos bois.. do ponto de vista documental imensúravel dado a origem da fonte...algumas pessoas achan triste..mas percebe-se claramante que quem tem amigos desconhece indifereça..Raul viveu por mais alguns anos..somente pela inssistencia de amigos..sequer ele teria realizado seus ultimos trabalhos e voltado aos palcos se estive-se verdadeiramente só..todos nós somos agradecidos a estes amigos de Raul Seixas..eu particularmente jamais teria apossibilidade de assistir a um show de Raul Seixas se ele não tive -se amigos...o cara foi embora Feliz sim...tenham certeza...seguinte..publiquei esta reportagem no blog www.cantinadorock.blogspot.com ..la contem uma entrevista perdida de Raul Seixas ..minutos antes do show de Maringá de 1989...como nao foi possivel registrar este comentario em seu blog sem se cadastrar .registro aqui..abraço Obrigado!

Alípio disse...

O povo fala,fala e fala +.
Eu tenho uma grande adimiração por Raul Seixas e J.R.R.Abraão eu nasci no ano em que Raul morreu e por estar em outro continente nem tive oportunidade de descobrir esta quimeira musical muito cedo. só descobri graças as livros de J.R.R.Abraão.
E o que o povo fala nem me interesa
eu estou mesmo é preocupado com a verdade. abraço adorei esta intrevista.