24 de fev de 2008

You... And Me ( Love Song )!!!

You ...And Me ( Love Song )!!!

(Vinícius Pezotti/Roberta Batista)


I Can See.../
You... And Me.../
Playing Love Game..../
Forever..../

My Only Love.../
My Last Love.../
My Big Love.../

Please...Please...Please.../
Love me...Now.../

I Can Dream.../
You Can Dream.../
We Can Dream.../


Angel....Howwww ..../
I Love You...


My Only Love.../
My Last Love.../
My Big Love.../

Please...Please...Please.../
Love me...Now.../


I Can Dream.../
You Can Dream.../
We Can Dream.../


Angel....Howwww ..../
I Love You...


Amigos...que parceria!!!
Beleza Abraço!!!

18 de fev de 2008

ESPECIAL POSTAGEM 150 : BUCHANAN - UM MAGO DESCONHECIDO: You`re Not Alone 1978 (REPOSTAGEM + ARQUIVO).

BUCHANAN - UM MAGO DESCONHECIDO: (REPOSTAGEM + ARQUIVO).










download link is:

http://sharebee.com/72d2b951



Filename: Roy Buchanan - You're Not Alone (1978).rar (36.37 MB)
This link has been accessed 5 times.
Last visit was 39 seconds ago.

Description: Roy Buchanan - You're Not Alone (1978)

Refresh this page
Left-Click on link. (It will open in a new window).

You're Not Alone (1978).rar (36.37 MB) : A Sua Escolha:

Roy Buchanan nasceu em Ozark, Arkansas em 23 de Setembro de 1939, mas ele cresceu em Pixley, Califórnia aproximadamente cinqüenta milha ao norte de de Bakersfield em San Joaquim valley. O pai dele orou aos sulistas exilados na igreja de Pentecostal de deus, e Roy sempre disse que sua mãe cantou melhor que Feriado de Billie. Eu sempre fui parcial aos guitarristas negros ...Blind Boy Fuller , Jimmy Nolen , Pete Lewis ...

Roy Buchanan foi um dos melhores guitarristas do Blues/Rock, Com solos de guitarras que empresionavam des a um Adolescente ao seu Pai. Um mito nas atitudes do Rock n' Roll, No inicio ficou conhecido como Vale Hawkins pelas influencias de sua adolescência, Buchanan se tornou a lei da terra ao redor de Washington, D.C., No inicio dos anos 60.

Usando uma Fender Telecaster criava gritos harmônicos altos em lugares de realimentação e distorção que eram parte do pacote de seu espetacular show de guitarra ao Rock dos anos 70. super-estrela relutante, Buchanan se tornou mais incrível ainda quando deu inicio em sua carreira solo, seu estilo permanecia cauterizados em seus melhores registros. Tristemente, quando Buchanan parecia à beira de um retorno, foi preso por causa de uma briga familiar em sua casa às 10 da noite, no dia 14 agosto 1988 em Reston, Virgínia. Buchanan deixou para trás vários registros que testemunham que ele era um guitarrista de classe, capaz de tons e técnicas com os que outros guitarristas só sonhavam. Teve com Sua esposa sete crianças e cinco netos.

Constando na lista dos Mestres do Blues , fazia de sua guitarra elétrica uma alma a solta gemendo e gritando nos ouvidos do Publico em seus shows. Os guitarristas de seu gênero tinham um grande respeito por ele e um numeroso exercito de Fãs dedicados.

Fama & Sucesso :

O som de Buchanan era totalmente diferente: quebrando corações, chamuscando solos. marca registrada que vislumbra tom, e uma mistura de grunhidos, lamento e gritos que o marcam como um mago do instrumento. Ele era um pioneiro no uso de controles harmônicos, e embora esta técnica foi usada pelos maiores Guitarristas de Rock, especialmente Jeff Beck, Robbie Robertson e Z.Z. o Billy Gibbons , todos reconheceram Buchanan como o mestre dos mestres.

A carreira musical de Roy Buchanan começou na minúscula cidade de Pixley, Califórnia. O pai dele era um fazendeiro. As primeiras recordações musicais de Roy eram de reuniões de misturas racionais que a família escutava. " Evangelho, " ele recorda, " isso é como eu entrei primeiro na música " negra. Recente R noturno & B rádio espetáculos também ajudados afiam o apetite dele para música blues-baseada. Mas a música jogou pelos povos em Pixley era rural, assim quando o 7 ano de Roy ele expressou interesse primeiro na guitarra, os pais dele o enviaram ao professor de violão de aço local, Sra. Pressure. Dentro de semanas, ele estava escolhendo os favoritos da Parada de Golpe das guitarras de aço, incitou pelo professor dele que, Roy se lembra, choraria toda vez eu cometi um engano ".

Em 1953, com 13 anos Roy comprou sua primeira guitarra, uma Telecaster (dólares $120!). " eu gostei do tom ...ela pareceu muito boa guitarra . Roy saiu de casa aos 15 anos e foi à cidade grande. Ele se caiu debaixo da asa de bandleader afamado, produtor, escritor, coordenador, o empresário (e mais tarde, Alligator o artista gravador) Johnny Otis. O jovem Roy estudou o domínio do blues de outros grandes guitarristas: " Jimmy Nolen (depois com James Brown), Pete Lewis, Johnny'Guitar'Watson, esses caras sempre não serão nenhuma batida ". Por volta de 1955, Roy estava conduzindo ao próprio Rock n' Roll , As Batidas do coração, e durante os próximos anos ele trabalhou no leste de modo que ele finalmente iria alcançar seu objetivo. Conheceu Vale hawkins do Canadá." eu conheci Vale na Cidade de Oklahoma em um espetáculo de TELEVISÃO e eu acabei Tocando na estrada com ele durante três anos ". Em 1957, Roy fez para a gravação tocando o solo em " My Babe ".

Três anos depois, Roy saiu de Hawkins no norte do Canadá onde ele se encarregou do papel de guitarrista em Ronnie Hawkins' (o grupo depois ganhou fama ). o guitarrista do grupo estudou guitarra com Roy, e assumiu a mancha de Guitarra Elétrica quando Roy saiu. Princípios dos anos 60 Roy começou a executar gigs incontáveis com bandas de rock sem nome, e cortando várias sessões como Guitarrista com músicos diversos junto com ídolos como Freddie a estrela do país Merle Kilgore. primeiro apresentou uma marca registrada harmônicos de Buchanan. No meio dos anos' 60's, cansados por estar a muito tempo na estrada, Roy se estabeleceu em Washington, área de D.C., tocando como e formando seu próprio grupo , Buch & Snakestretchers.

Em 1971, já montando em reputação como um grandioso guitarrista que incluiu abraços de John Lennon, Eric Clapton, Merle Haggard, e um convite unir os Rolling Stones, Roy " (tocou com o Rolling Stone em 1972) nacionalmente como o resultado de um documentário do público da Televisão a faixa "After hours". Intitulado " O Melhor guitarrista Desconhecido no Mundo ", o espetáculo ganhou Roy um contrato com a Polydor Records e começou uma década de viajandoao mundo a fora. Ele gravou cinco álbuns para Polydor (ganhando disco de ouro) e três para o Atlântico (um ouro), enquanto tocando virtualmente em todo corredor de concertos de rock e festivais. As etiquetas principais lhe deram fama e fortuna, mas nenhuma liberdade artística. Ele continuava tentando fazer algo que ele queria produzir. Finalmente Roy deixou de registrar em 1981 e nunca jura entrar em um estúdio novamente a menos que ele pudesse registrar a própria música ao próprio modo dele.

Quatro anos depois, Roy foi parar no estúdio da Alligator. O primeiro álbum dele para Alligator, WHEN A GUITAR PLAY THE BLUES, foi lançado pela primavera de 1985. Foi a primeira vez em que ele determinou total liberdade artística no estúdio; também foi o primeiro verdadeiro álbum de blues dele. Fãs responderam depressa, e o álbum entrou nos quadros das melhores músicas que as rádios tocavam no momento, com uma bala e permaneceu nos quadros durante 13 semanas. Críticos de música, como também os fãs, aplaudiram os esforços de Roy com abraços e bastantes quatro revisões de estrela. O segundo Alligator dele foi o LP DANCING ON THE EDGE lançado pelo outono de 1986. O álbum, caracterizando uma dose generosa das pirotecnias de GUITARRA de marca registrada de Roy e três cortes com convidado especial : O vocalista Delbert McClinton, ganhou o Faculdade Mídia Diário Prêmio para Melhor Álbum de Blues de 1986. Ao tocar ao vivo com emoção e ostentações um som cheio e selvagem que constantemente ameaça revisar a extremidade. Este definitivamente é um disco que deverá iniciar sua festa ".

" Desde que vim para a Alligator, eu estou fazendo os registros que eu sempre quis fazer finalmente, " Roy disse destes anos. Ele lançou o décimo segundo LP da carreira dele e o terço dele para a Alligator, HOT WIRES, em 1987. Além de Donald Kinsey (antigamente com o Rei de AIbert e Bob Marley), o tecladista Stan Szelest, e temperou os hits de estúdio Larry Exum (baixo) e Morris Jennings (bateria), este álbum clássico inclui vocais de convidados por alma veterana como Johnny Sayles e a excelente cantora de Chicago azula belters, Kanika Kress. A carreira musical de Roy o levou de gigs de clube de subterrâneo nos anos sessenta e anos setenta para televisão nacional, registro de ouro excursões de vendas mundiais nos anos oitenta, os Irmãos de Allman e muitos outros ícones da Guitarra do blues/rock. Buchanan morreu em Virgínia em 1988. Ele teve 48 anos.

Um Verdadeiro Admirador e Aquele que escuta e jamais esquece ...
Origem dos documentos:

TODOS OS DISCOS DE ROY BUCHANAN : Discografia Oficial: Inicio ao Fim !


Buch & The Snakestretchers, 1971, Bioya
Roy Buchanan and the Snakestretchers, 1972, Bioya
Roy Buchanan, 1972, Polydor
Second Album, 1973, Polydor
That's What I Am Here For, 1974, Polydor
In the Beginning, 1974, Polydor
Live Stock, 1975, Polydor
Rescue Me, 1975, Polydor
Street Called Straight, 1976, Atlantic
Loading Zone, 1977, Atlantic
Live in U.S.A. & Holland 77-85 - Silver Shadow CD 9104
You're Not Alone, 1978, Atlantic
Live in Japan - 1977 (Rel 1978) Polydor MPF 1105
My Babe, 1981, AJK
When a Guitar Plays the Blues, 1985, Alligator
Live - Charly Blues Legend vol. 9 85-87 - Chaarly Schallplatten GMBH - CBL 758
Dancing on the Edge, 1986, Alligator
Hot Wires, 1987, Alligator
Early Years, 1989, Krazy Kat
Sweet Dreams: The Anthology, 1992, Polydor
Guitar on Fire: Atlantic Sessions, 1993, Rhino


http://cantinadorock.blogspot.com


Posto aqui o trabalho mais progressista de Roy Buchanan onde ele dá um banho em muitos que se dizem fazedores de Rock Progressivo e o homem era Bluseiro! Um dos melhores discos de todas as gerações de roqueiros!!!
divirtam-se!!Abraço!
Cara este foi o grande entre os grandes!!!Beleza Abraço!

http://cantinadorock.blogspot.com

17 de fev de 2008

Info: Biography, Pictures, Discography of all CDs & DVDs

Info: Biography, Pictures, Discography of all CDs & DVDs

Marcelo Nova is a Brazilian singer born in the state of Bahia.At a young age he was a fan of Raul Seixas, and towards the end of Seixas' life, they both worked together on songs.You can help Wikipedia by expanding it.This article on a Brazilian musician is a stub.Receive Free You Heard It!Read his latest news, see his videos.Preview tracks from Good Thing Going.Marcelo Nova has inscribed his name in the history of Brazilian rock.After this, he left the band and released his first solo album, Marcelo Nova e a Envergadura Moral.Subindo" became an instant hit and the band departed for a national tour.Chuck Wicks New artist has a CD coming out.Preview tracks from Good Thing Going.FREE UPDATES for Marcelo Nova!Welcome to our Marcelo Nova message board!Connect with other fans and discuss what's on your mind.Pepsi Smash Nissan Live Sets Who's Next?Raul Seixas and Eric Burdon, Marcelo Nova has inscribed his name in the history of Brazilian rock.After this, he left the band and released his first solo album, Marcelo Nova e a Envergadura Moral.Panela do Diabo album, which brought them another platinum record and became a classic of Brazilian rock.Rating affects your music played in LAUNCHcast and Music Videos.Raul Seixas and Eric Burdon, Marcelo Nova has inscribed his name in the history of Brazilian rock.They will be examined and if approved will be included in a future update.Terms and Privacy Policy under which this service is provided to you.Raul Seixas and Eric Burdon, Marcelo Nova has inscribed his name in the ...Want More Marcelo Nova?Raul Seixas and Eric Burdon, Marcelo Nova has inscribed his name in the history of Brazilian rock.After this, he left the band and released his first solo album, Marcelo Nova e a Envergadura Moral.Their partnership was finished with Seixas' precocious demise in 1989.Eric Burdon, with whom he shared vocals on the track "Don't Let Me Be Misunderstood."In 1997, Nova and Eric Burdon wrote and recorded four songs in Long Island, NY: "Motorcycle Girl," "I've Seen the Future," "My Satanic Heart," and "Winter Woman."Raul Seixas and Eric Burdon, Marcelo Nova has inscribed his name in the history of Brazilian rock.Write a ReviewYour TakeTell the world what you think about Marcelo Nova!

Tradução automática: (Não muito confiavel!!!)

Marcelo Nova é uma cantora brasileira nascida no estado de Bahia.At um jovem idade ele era um fã de Raul Seixas, e na parte final do Seixas "vida, que ambos trabalharam juntos em songs.You pode ajudar a Wikipédia expandindo por it.This Artigo sobre um músico brasileiro é um stub.Receive Livre Você Ouve É! Ler suas últimas notícias, ver seu videos.Preview faixas de Going.Marcelo Coisa Boa Nova tem o seu nome inscrito na história do Brasil rock.After isso, ele deixou a Banda e lançado o seu primeiro álbum solo, Marcelo Nova ea Envergadura Moral.Subindo "tornou-se um hit instantâneo e abandonou a banda para um nacional tour.Chuck Wicks Novo artista tem um CD próximos out.Preview faixas de Good Thing Going.FREE ATUALIZAÇÕES para Marcelo Nova! Bem-vindo ao nosso Marcelo Nova mensagem bordo! Conecte-se com outros fãs e discutir o que se passa na sua mind.Pepsi Smash Nissan Live Sets Who's Next? Raul Seixas e Eric Burdon, Marcelo Nova tem o seu nome inscrito na história do Brasil rock.After presente , Ele deixou a banda e lançado o seu primeiro álbum solo, Marcelo Nova ea Envergadura Moral.Panela do Diabo álbum, o que lhes trouxe outro recorde de platina e se tornou um clássico da música brasileira rock.Rating afeta sua jogado em LAUNCHcast e Música Videos.Raul Seixas E Eric Burdon, Marcelo Nova tem o seu nome inscrito na história do Brasil rock.They serão examinados e, se aprovados serão incluídas num futuro update.Terms Política de Privacidade e no âmbito do qual o serviço é prestado a you.Raul Seixas e Eric Burdon , Marcelo Nova tem o seu nome inscrito no ... Quer Mais Marcelo Nova? Raul Seixas e Eric Burdon, Marcelo Nova tem o seu nome inscrito na história do Brasil rock.After isso, ele deixou a banda e lançado o seu primeiro álbum solo, Marcelo Nova ea Envergadura Moral.Their parceria foi concluída com Seixas' desaparecimento precoce em 1989.Eric Burdon, com quem partilha vocais na faixa "Não Deixe Me Be Misunderstood. 1997, Nova e Eric Burdon escreveu e registrou quatro Canções em Long Island, NY: "Motorcycle Girl", "Eu vi o Futuro", "Satanic My Heart", e "Winter Woman". Raul Seixas e Eric Burdon, Marcelo Nova tem o seu nome inscrito na história do Brasil Rock.Write um ReviewYour TakeTell o mundo o que você pensa sobre Marcelo Nova!


ORIGEM DOS DOCUMENTOS:

http://mp3cow.com/marcelo-nova/mp3-music-downloads/art300052165/

http://translate.google.com/translate?hl=pt-BR&sl=en&u=http://mp3cow.com/marcelo-nova/mp3-music-downloads/art300052165/&sa=X&oi=translate&resnum=3&ct=result&prev=/search%3Fq%3Dmarcelo%2Bnova%2Beric%2Bburdon%26start%3D50%26hl%3Dpt-BR%26client%3Dfirefox-a%26channel%3Ds%26rls%3Dorg.mozilla:pt-BR:official%26hs%3DQyD%26sa%3DN

www.cantinadorock.blogspot.com

Pois é, carper dien ...Beleza!

Entrevista 65 - Marcelo Nova - (PORTAL MOFO)

Entrevista 65 - Marcelo Nova - (PORTAL MOFO)

65 - Marcelo Nova

Desde criança sempre sonhei em poder ao menos uma vez ver alguns músicos que fizeram minha cabeça. Para um garoto do interior chegar perto já seria o máximo. Um autógrafo e uma fotografia, era a materialização de um sonho. Aos 13 anos realizei parcialmente este sonho ao tirar uma fotografia com o imortal zagueiro do Palmeiras, Luís Pereira, em uma partida que o Verdão aplicou 3 a 0 no Comercial, lá em Ribeirão Preto. E o legal de ter virado jornalista é que conheci muito desses personagens que habitavam meu imaginário. E confesso que me decepcionei com vários deles, me simpatizei com outros que não curtia e alguns corresponderam totalmente minha expectativa idealizada. Marcelo Nova encaixa neste último caso.




Já havia esbarrado com o homem uma meia dúzia de vezes nas galerias de São Paulo, mas só fiquei mais próximo da lenda quando era balconista da extinta e saudosa Sweet Jane. Marcelo é uma piada. Deu apelido para todo mundo de lá (o meu eu não revelo nem sob tortura), mexia com os clientes e quando alguém pedia Belle & Sebastian, podia esperar uma gozação com o coitado que estivesse adquirindo um cd “dessa banda assexuada”. Ele é assim mesmo, sem papas na língua e de um humor corrosivo. Resolvi ligar então para pedir uma entrevista. Marcamos o dia e liguei pontualmente. Quase não o pego, estava de saída, mas no seu melhor estilo disse: fala aí meu velho, vamos conversar um pouco, depois se precisar nos falamos mais outro dia.” Esse um pouco foram 55 minutos. Entre perguntas e respostas, ficamos rindo dos casos do passado e das besteiras - muita coisa não entrará aqui, (in)felizmente. Antes que alguém se ofenda com o que vai ler, já aviso: essa entrevista é um bate-papo dos mais informais e não deve ser levado mais sério do que isso. Quem quiser filosofar em cima, que dê um tiro no dedão do pé.

Marcelo é daqueles caras que sempre tem uma frase na ponta da língua quando provocado. Quantas vezes não ouvi dizer “sou baiano mas não sou Caetano” quando perguntavam o motivo de não tocar MPB como seus conterrâneos. Fora as tiradas de sarro em alguns clientes e um monte de autógrafos que dava para a molecada que entrava na loja e dava de cara com ele. “Você é o cara do Camisa?” perguntavam, incrédulos. Entre um sorriso e outro, Marcelo falava: “é, sou, fui e hoje estou descamisado”. Quase não ninguém entendia a piada, só os mais próximos. Desde que acabou com a banda e resolveu bater asas por conta própria, fez de tudo um pouco, mas sem largar o rock and roll, paixão desde garoto, quando descobriu Little Richard.

Para quem não sabe, o homem está vindo de quatro meses de inatividade. O motivo foi o mais trivial possível: pedra nos rins. “Já arranquei três, faltam mais três.” Extraiu com britadeira? “Quase isso meu rapaz, deixei os médicos malucos”, conta sempre rindo. Apesar de necessitar de repouso completo, fez dois shows nesse período. Só amarrando o dito para ficar quieto.

Marcelo está há muito tempo fora da “mass media”. Lançou um ao vivo pela Baratos Afins, e seu último trabalho saiu pela Indie Records. Ele também vende em seu site pessoal e após as apresentações que faz pelo país afora. O próximo será em Minas Gerais. Mas chega de enrolação e vamos com os pensamentos deste que se intitula o último de uma espécie.

Mofo: Você está com uma coletânea nova. Fale um pouco dela, por favor.

Marcelo Nova: Ela se chama Em Ponto de Bala e saiu pela Indie Records. Ela foi retirada do meu álbum anterior, que era uma caixa chamada Tijolo na Vidraça, lançada pela Som Livre. Separei canções que fiz com o Camisa, com o Raul, solo. E como material inédito, as duas últimas faixas do CD," Bomba-Relógio Ambulante" e a nova versão de "Eu Não Matei Joana D'Arc", ao vivo.



Mofo: Como você a está comercializando?

Marcelo Nova: Está disponível em qualquer loja e no meu site (www.uol.com.br/marcelonova). E quem preferir, ligue para o telefone (11) 5541-0301.

Mofo: Eu sempre lembro de você brincando quando alguém te comparava com o Caetano Veloso. O que você achou do homem quando ele tremeu todo no Oscar?

Marcelo Nova: Sei lá, eu não vejo essas coisas. Ele tremeu? Problema dele...

Mofo: Eu pergunto isso porque tanto ele como o Gilberto Gil estão em evidência. Aliás, o que espera do Gil como ministro?

Marcelo Nova: Nada. Eu odeio política, não tenho nada a declarar. Aliás, tenho sim: espero como qualquer brasileiro que o Brasil caminhe em frente. Eu penso o seguinte: eu vou ser enterrado aqui, não em Paris, ao lado de Jim Morrison, Baudelaire. Não tenho ilusão em relação à política. Ninguém fala em Ministro da Cultura, falam em Gilberto Gil.

Mofo: Eu fiz uma entrevista com o Roger e ele me disse que o brasileiro é muito conformado, que prefere culpar alguém do que tentar resolver seus problemas...

Marcelo Nova: Mas é isso mesmo! Veja o exemplo dessa guerra. Tá todo mundo malhando o Bush. É claro que ele está errado em promover essa loucura, mas responsabilizá-lo por todos os atuais problemas do mundo é besteira. O Bush é a bola da vez...(risos)

Mofo: Você tem saudades dos tempos do Camisa? Já pensou em voltar com o grupo?

Marcelo Nova: Velho, não tenho. O Camisa foi uma banda que montei quando garoto e não tenho intenção de voltar. Quando você fica adulto não quer ficar atrelado aos brinquedos. Isso não significa que de vez em quando eu queira brincar com meu autorama...(risos)

Mofo: Um dia eu vi em uma loja A Panela do Diabo (disco em parceria com Raul Seixas). Ele está em catálogo?

Marcelo Nova: Acho que está sim.

Mofo: Mas no catálogo de quem, no seu ou no do Raul?

Marcelo Nova: Vai saber. As gravadoras relançam o que querem, mas é à revelia do artista. Às vezes vejo coletânea minhas ou do Camisa que nem sabia que existiam. Gravadora é uma coisa muito unilateral. É uma sociedade onde você é obrigado a acreditar na palavra do parceiro.

Mofo: Você tem idéia de quanto o Camisa vendeu?

Marcelo Nova: Não, porque quem controla isso é a gravadora. Eles falam um número e você não tem como contestar.

Mofo: Como você faz dinheiro com álbuns independentes?

Marcelo Nova: O problema de ser independente é a distribuição. Você tem pequenas alternativas, mas é difícil fazer um disco tocar na rádio. E quem não faz parte da indústria está fora. O Grampeado em Público (disco ao vivo em dois volumes lançado pela Baratos Afins) eu fiz um pouco de televisão, rádio, mas tinha que vender nos shows, porque os fãs me escreviam pedindo, já que não achavam. Deve ter vendido umas 5, 6 mil cópias, o que é um bom número, pois não tinha como vender mais dessa maneira.

Mofo: E como você lida com os e-mails?

Marcelo Nova: Não lido, eu tenho alergia...risos.. Falando sério, eu tenho um cara bacana chamado Ari Mendes que é tarado por computador, internet. Ele geralmente responde minhas perguntas porque sabe o que pode escrever, mas às vezes me consulta quando aparece uma diferente.

Mofo: E o site é muito visitado?

Marcelo Nova: Muito. O Ari já cadastrou mais de duas mil pessoas e fica correspondendo com elas. O homem dorme em cima do teclado se deixar.

Mofo: Você recebe muita demo?

Marcelo Nova: Recebia quando trabalhava na Secretaria de Cultura. Hoje quase não recebo.

Marcelo Nova (voz e guitarra), Márcio Guedes (guitarra e slide), Lu Stopa (contrabaixo) e Denis Mendes (bateria) Mofo: Quem está tocando com você hoje em dia?

Marcelo Nova: É a mesma turma há quatro anos: Lu Stopa no baixo, Márcio Guedes na guitarra, Dênis na bateria e ocasionalmente, Johnny Boy.




Mofo: Em que categoria do rock brasileiro você se encaixa hoje em dia?

Marcelo Nova: Em nenhuma. A minha tribo é dos moicanos. E eu sou o último e me relaciono bem com minha solidão.

Mofo: Seus shows vivem lotados, não é?

Marcelo Nova: Algumas vezes sim e outras não Muitas vezes meu shows não têm muito público porque não faço Faustão. O que acontece é que os artistas não podem falar isso, é vergonhoso. Eu não tenho essa frescura, toco sempre com a mesma postura. As pessoas precisam entender que para um show vender bem, não depende só de mim, mas também da divulgação, de vários outros fatores.

Mofo: Como vê a atual geração do rock nacional?

Marcelo Nova: Sabe o que mais quero? Eu torço para aparecer algum moleque que dê um chute no saco do Gugu Liberato, mas só aparece garoto comportadinho, que de rebelde só tem a cor do cabelo ou um monte de piercings. Muitos deles devem apanhar ainda na palmatória dos professores. Eu não me interesso pelo novo rock nacional e mundial.

Mofo: O que gosta de ouvir?

Marcelo Nova: Só cara mais velho do que eu... Dylan, Patti Smith, Stones, Byrds, Lou Reed, Leonard Cohen...

Mofo: O que achou do último disco de Dylan, Love and Theft?

Marcelo Nova:
Love and Theft é um dos melhores discos da carreira dele. Ele surpreende ainda e não é fácil, porque já são 40 anos de carreira. Time Out of Mind (álbum anterior, de 1997) contemplava a velhice, a morte, é sombrio nas palavras, embora em nenhum momento perdesse o vigor. Esse é quase autobiográfico. Ele descreve como as pequenas coisas influem no geral. É sutil, mistura sarcasmo, inteligência e é uma tentativa de superação. Ninguém chega perto dele. Ele está há 1 milhão de quilômetros de qualquer mortal, é de outro planeta. Dylan nasceu gênio. Um garoto que aos 23 anos escreveu “Mr. Tambourine Man” sem ter tido tempo para viver o suficiente para escrever essa letra só pode ser alguém especial. Nós, os normais, só conseguimos fazer algo parecido com o tempo, depois que amadurecemos, burilamos nosso ofício. Por mais que sejamos bem sucedido nossa busca, a faísca de nossa obstinação está distante do incêndio da genialidade. É DNA.

Mofo: Como foi crescer nos anos 60?

Marcelo Nova: Maravilhoso. Naquela época tinha Byrds, Beatles e Rolling Stones, cada um com sua sonoridade. Três bandas de jovens cabeludos, mas com uma forte característica impressa. Hoje em dia, todos querem imitar o Pearl Jam, porque não importa mais a originalidade e sim o que o mercado quer.

Mofo: E aquele seu projeto em fazer um disco em parceria com Eric Burdon?

Marcelo Nova: O disco nunca foi conversado seriamente. Ele acabou de casar com uma garota grega de 25 anos. Conversei com ele há 15 dias, mas nunca falamos disso, porque depende dele, afinal é o Eric que está negociando, ele é a lenda. Eu continuo esperando como um fã.

Mofo: Você afirma que ninguém chega perto de Dylan nas letras. Mas nunca escondeu seu fascínio por Hendrix. Pode-se afirmar que ele é o Dylan da guitarra?

Marcelo Nova: Sim. Hendrix usava a sonoridade da guitarra, está muito próximo de Dylan. Um recriou o universo musical e a guitarra divide-se entre antes e depois de Jimi. Com ele acabou a ingenuidade.

Mofo: Há muito tempo não surge uma grande banda. Talvez a última tenha sido o Nirvana, mas eu acho que se eles tivessem aparecido no meio do movimento punk seriam uma boa banda, mas não mais do que isso...

Marcelo Nova: Velho, concordo com você inteiramente. O Nirvana é uma das bandas mais superestimadas que já vi, uma coisa de louco. É que nem os Beach Boys. Os americanos adoram dizer que o Brian Wilson influenciou os Beatles. Dá um tempo! O Brian não serve nem para amarrar os sapatos deles! É o tipo de distorção que não dá mais para mudar.

Mofo: E a banda da viúva dele, o Hole?

Marcelo Nova: Eu só digo uma coisa: nunca uma banda teve um nome tão perfeito sexualmente falando....risos (Hole em inglês significa buraco).

Mofo: Vai sair algo novo esse ano?

Marcelo Nova: Já tenho um disco pronto e quero lançar esse ano, mas não sei como e quando. Será com músicas inéditas, o que não faço há anos. Como fiz 50 anos está na hora de seguir em frente e parar de olhar meu umbigo.

Mofo: Qual seu disco solo favorito? E o do Camisa?

Marcelo Nova: Meus discos solos são tão distintos e não sei qual escolher. Ninguém sabe, mas eu fiz acústico antes disso virar moda. Já o Camisa era uma banda com estilo, uma unidade, era “bota prá foder” mesmo. Eu gosto muito do Viva!

Mofo: Para encerrar, mande uma mensagem para seus fãs...

Marcelo Nova: Ih, cara uma mensagem? Sei lá. Você quer uma mesmo? (pensativo...) Deixa ver. Ah, já sei! Molecada, o Big Brother não é tão BIG e o Little Richard não é tão Little!

E não esqueçam: para quem quiser conversar com Marcelo ou mandar um e-mail (o Ari jura responder todos com a bênção do homem), entre no site www.uol.com.br/marcelonova. Até mais!


ORIGEM DO DOCUMENTO:
MOFO:
http://www.beatrix.pro.br/mofo/marcelonova.htm

Radio Mofo:
http://www.beatrix.pro.br/mofo/radio.htm

LINKS MOFO:

Links


Site da mulher mais linda do mundo.

On the Border - Esse é o meu novo blog, junto com Pedro Damian. Estamos falando apenas de música independente, mas não aquele "indie" de Bizz. Indie mesmo!

No Shit Music - A casa de Mr. Damian.

The Music I Like - Esse blog do Carlos é sensacional para quem gosta e deseja baixar discos há muito tempo fora de catálogo.

John Coltrane - não basta ser um dos maiores músicos de jazz, ainda tem um site bem caprichado, onde você lê sobre sua carreira e ainda ouve suas músicas.

All Music - não é o melhor e nem mais confiável site que existe, mas possui boas informações e serve como porta de entrada.

Los Tornados - excelente trio paulistano de psycho-surf instrumental.

Steve Wynn - site oficial do ex-líder do Dream Syndicate e genial músico.

Violeta de Outono - site oficial do trio paulistano.

Bob Dylan - site oficial do cantor e compositor norte-americano.

Woody Allen - o melhor comediante dos últimos 30 anos em um site bacana.

Cocteau Twins - sensacional e completíssimo site do trio escocês.

Robyn Hitchcock - excelente e criativo site do ex-líder dos Soft Boys.

Leonard Cohen - esse é um dos melhores sites sobre o grande cantor, compositor e poeta canadense.

Coquetel Molotov - excelente site pernambucano (que também é zine e revista) sobre bandas independentes, pernambucanas, nacionais e internacionais.

Van Morrison - completíssimo site do maior cantor do mundo.


OPA MOFO! BOA!!!!


Muito beleza esta entrevista informal, como se Marceleza fosse formal...rsrsrsrsrrsrs
Parabéns brother!!!Abraço Beleza!!!

11 de fev de 2008

ERIC BURDON - ENTREVISTA RARISSIMA !!! Entrevista feita em junho de 2005 - (Por Douglas Portari) !!!

ERIC BURDON -ENTREVISTA RARISSIMA !!!
Entrevista feita em junho de 2005 - (Por Douglas Portari) !!!
e não publicada por 'divergências editoriais inconciliáveis' !!!
Da série Esqueletos no Armário : Parte um!!!
Don't Let Me Be Misunderstood:

O homem está há quatro décadas nos Estados Unidos, mas ao atender o telefone seu sotaque britânico o denuncia. E sua voz - aos 64 anos - continua inconfundível. "Brazil?", diz e começa a cantarolar "tan taran tan tan taran tantan".Antes que eu possa perguntar se Aquarela do Brasil é tudo o que ele conhece de música brasileira, ele pede um segundo. Quando retorna, o assunto muda e, falha minha, esqueço do mulato inzoneiro e de Carmem Miranda.
Ele diz viver em uma "encruzilhada no deserto". Soa algo dramático, mas é verdade. O sujeito mora em um vilarejo a leste de Los Angeles, no meio do alto deserto da Califórnia. E onde mais viveria um animal?Ou, neste caso, um ex-animal: Eric Burdon. Um inglês franzino que descobriu uma voz ancestral ao ser expulso da aula de música por cantar alto demais. Outro garoto branco cuja vida ganhou cor ao conhecer o som negro vindo da América.Dos clubes de jazz de Newcastle ao rock da Swinging London, da psicodelia inglesa ao funk de São Francisco. The Animals, Eric Burdon and the Animals, War, carreira solo… as bandas e as fases ficam a critério dos fãs.
Tudo regado a blues. Blues e auto-destruição. Em uma segunda biografia, Don't Let Me Be Misunderstood, lançada entre 2001 e 2005 em vários países, Burdon mudou o tom no que diz respeito à morte do amigo Jimi Hendrix. "Eu sempre acreditei que fosse suicídio. Eu me enganei".E contrariando seu sentimento de impotência quanto ao que um músico pode fazer sobre os rumos do mundo, que, diz ele, o fizeram pensar até em criar uma camiseta com os dizeres "Now it's the time for old good men to shut the fuck up", ele falou. Em alto e bom som.
(Por Douglas Portari)



*Trechos de entrevista feita em junho de 2005 e não publicada por 'divergências editoriais inconciliáveis'


Depois de todos esses anos, você acha que foi mal interpretado?

Eric Burdon: Yeah, às vezes! (risos) Mas nem sempre. Há dezenas de pessoas que me entendem e eu gosto delas. Eu me sinto grato por elas. E quanto àquelas que não me entendem, bom, eu não me sinto infeliz por isso.

E por que uma segunda biografia? Não foi tudo dito em seu primeiro livro?

EB: Não, na verdade, não. Eu escrevi a primeira nos anos 1980 e muita coisa mudou desde então. A morte de Jimi Hendrix [1942-1970]... eu vejo que entendi tudo errado. Eu sempre acreditei que fosse suicídio [apoiado em um poema que o guitarrista deixou para ele na noite de sua morte]. Esse tempo já era e depois de conhecer o pai de Hendrix... eu voltei atrás e achei que se eu havia cometido um engano, não seria bom negar.

Então, eu reinvestiguei e encontrei muito mais material do que eu tinha em minha primeira biografia. Eu também fui procurado por um cara que estava fazendo uma biografia do Jimi para uma entrevista e disse 'olha, eu já fiz muitas entrevistas sobre Jimi e tudo mais e eu te dou a última se você me deixar ver tudo o que conseguiu sobre a namorada dele [a artista plástica alemã Monika Dannemann]. Assim, eu faço a entrevista.' Então, eu pude ver uma coisa que nunca chegou a mim antes, que era uma série de entrevistas, que foi encontrada, dessa mulher.


Eu me dei conta de que ela estava mentindo para encerrar o caso. E quando você percebe que alguém está mentindo isso vira as coisas de cabeça para baixo. Eu senti que tinha que revisitar essa história e esse período terrível porque eu tenho vivido com ele por muito tempo e isso precisava sair.


[No livro Scuse Me While I Kiss the Sky: The Life of Jimi Hendrix, o autor, David Henderson alega que Monika esteve envolvida na morte do guitarrista]Como acha que essa história vai terminar?

EB: Eu não acho que vá terminar. Eu acho que é como o próprio Jimi. Ele sempre quis fazer mistério a respeito de si mesmo. Se você imagina algo por muito tempo ou persegue algo durante muito tempo isso vai se tornar você. E você vai se tornar essa coisa.
Eu não sei o que te dizer... o que foi feito está feito. Ele está morto e sua namorada cometeu suicídio [Monika morreu em 1996, na Alemanha, asfixiada na garagem de sua casa]
É bem estranho...

EB: Ah, é a verdadeira síntese da história do rock'n'roll. Se alguém quisesse procurar no mundo da música algo shakespeareano... seria fácil. Ele [Hendrix] era o verdadeiro. Mas agora está tudo trancado, caso encerrado, você não pode fazer nada, não pode dizer nada. Está tudo arquivado em Londres.

Você disse por aí que a nova biografia traz 'uma longa lista de contratos, relacionamentos, drogas e comportamentos ruins'. Poderia dar exemplos?

EB: Bom, quanto às drogas ruins, elas não estão mais por aqui... infelizmente! (risos) Nem as boas! (risos) Nós vivemos em uma sociedade totalmente cristalizada, careta e do 'quanto-custa-isso?' e eu a odeio. Mas não há nada que eu ande fazendo para mudar isso. Ou muito pouco que eu possa fazer... Quanto aos contratos ruins, eu acredito que tenha sobrevivido a eles. Eu ainda estou aí para fazer novos contratos, novos discos, e fazer meu caminho rumo a um novo público.

Só cabe a mim me manter espiritualmente afinado, bem fisicamente - até certo ponto, afinal, eu nunca fui saudável durante toda a minha vida. E isso explica minhas poucas visitas a lugares como o Brasil. Eu não posso ficar em ambientes úmidos. Ataca minha respiração. Por isso eu vivo no deserto, isso me possibilita ir a lugares que eu gosto de ir, como Nova Orleans, por exemplo. O que mais tem na lista?'

… relacionamentos e comportamentos ruins'.

EB: Bem, eu sobrevivi. Este é meu terceiro casamento e estou passando por isso agora. Na verdade, eu estou tendo que aprender - reaprender - como viver de novo com alguém do começo. Porque eu estava vivendo sozinho já havia 20 anos. Então, no meu tipo de relacionamento eu estou tendo de reaprender uma porção de coisas dia após dia, em como ter alguém com você sob o mesmo teto. E não é nada fácil se você esteve, você sabe, por aí afora vivendo feito um louco.Continua...
Psicografado by Spam_Master at
4:27 PM 4 comments

Esqueletos no Armário, parte 2
When I Was Young:

Depois de quase 20 anos sem gravar, você lançou My Secret Life (2004). Por que tanto tempo longe dos estúdios?

Eric Burdon: Eu não entendia a tecnologia, eu não gostava da idéia de cantar para um computador... eu não gostava de CDs - eu ainda não gosto deles (risos) - e eu não tinha muito o que dizer. Você não pode ser bom o tempo todo, sabe?

Não tinha muito pra dizer?

EB: Bom, eu cheguei a um ponto na minha vida em que eu estava pensando em fazer camisetas com os dizeres: 'Agora é a hora para bons velhinhos calarem a porra da boca!'. Porque não há nada que se possa fazer sobre o jeito como o mundo vai. Mesmo que você tivesse o poder de um Leonardo da Vinci, no mundo de hoje, você não iria a lugar algum. Como um jornalista de TV disse em uma reportagem que eu vi uma noite dessas sobre a Al-Jazeera, a agência de notícias árabe. Ele disse para o repórter americano: 'todo mundo sabe que vocês têm as maiores armas do mundo, todo mundo sabe que vocês têm a supremacia do ar, todo mundo sabe que vocês mandam no planeta. Mas isso não significa que eu tenha que gostar de vocês também'. Então, o que um cara pode fazer? Eu não sei, eu não tenho respostas. Com exceção de estender meus laços de amizade e tentar fazer as pessoas se sentirem bem, entretê-las e fazer mais rock'n'roll.

A canção The Jazzman (do disco My Secret Life) fala dos hábitos destrutivos desses músicos. Estilo de vida que foi encampado depois pelos roqueiros. Tem algo de autobiográfica nela?

EB: Sim. Eu fui influenciado em minha maneira de escrever ou de me apresentar muito devido às lembranças de ter visto Chet Baker em Paris enfiando uma agulha no braço. Quando você é tão visado quanto esses grandes baluartes do jazz, quando na moda você é a tradução do moderno, querido por todos, jovens ou velhos, pretos ou brancos, qual o propósito de se enfiar uma agulha no braço? Eu ficava fascinado por isso. E, você sabe, havia muitos outros grandes jazzmen que estavam nessa dança destrutiva da heroína. E eu percebi que isso era pra aplacar a dor. Eles viviam uma dor que... é difícil para o público entender o que acontece quando você deixa o palco e vai para casa, para uma casa vazia. Ou vai pra casa pra alguém que te odeia enquanto todo mundo lá fora te ama. Então, pra quem você se vira? Pra onde você vai? Você só quer se dopar. E também, naquele tempo, a questão racial era ainda mais difícil. Como é que os negros - na estrada - iriam encontrar médicos capazes de cuidar de psicoses? Ou qualquer doença física? Era impossível levar um negro a um hospital em uma emergência. E quando alguém aparecia, receitava caríssimas pílulas pra dormir, que também não fariam bem nenhum, se você só precisava chegar na esquina e pagar cinco dólares por uma trouxinha de heroína.

E quando foi que você descobriu seu talento pra cantar?

EB: Eu acho que isso tem suas raízes no fato de eu ter sido expulso das aulas de música. Nós tínhamos aula de música na escola, em Newcastle, mas eu não tinha interesse algum. Era só algo que eu tinha que fazer, sabe? Era como 'ok, agora você vai para sala com o professor, ele toca o piano e passa os acordes pra você e entrega o folheto com a letra e você canta essa canção chata'. Só que um dia ele apareceu com aqueles spirituals dos negros americanos, que eu nunca tinha ouvido antes e nunca mais ouvi. Porque hoje é considerado totalmente racista, o conteúdo dessas canções seria considerado racista. No entanto, ao cantar essa canção em particular, eu descobri, de repente, que minha voz estava se sobressaindo a de todo mundo. O professor me jogou pra fora da sala por ser indisciplinado e barulhento. E foi aí que eu me dei conta de que queria subir num palco, pegar um microfone e ver o quão barulhento eu poderia ser. Então, eu comecei a zanzar pelos clubes de jazz locais e costumava puxar o paletó do trombonista de uma banda dizendo 'por favor, posso subir e cantar uma música?' e ele 'eu não sei, deixa eu checar com o cara que deveria liderar a banda'. E aí diziam 'o que você quer cantar?', como eu era aficionado por jazz e não apenas blues e folk, os caras adoravam. Eu sabia de cabeça os arranjos de todo o catálogo de Count Basie. Ele era o que eles amavam tocar... eu servi como um sapato velho.

Era confortável.

Que idade você tinha na época?

EB: Uns 17, 18 anos... E aí eu comecei a gravar com esses caras também. Eu fiz quatro sessões de gravação. Era gravado direto no disco, direto no acetato, então, você só podia tocar o disco umas 15, 20 vezes. Mesmo assim, era bastante excitante ouvir minha própria voz saindo da máquina pelo alto-falante. Depois disso, fui parar na escola de arte e esse foi o início do melhor tempo da minha vida. Eu podia fazer o que eu quisesse, quando eu quisesse, do jeito que eu quisesse. Foi um período de cinco anos de paraíso absoluto. Porque eu tinha longas férias de verão, durante as quais eu arranjava, nas três primeiras semanas, um emprego qualquer. Qualquer coisa desde ajudar numa construção a entregar carne pra um açougueiro, de tirar cerveja num pub a vender jornais. Isso colocava dinheiro no meu bolso e aí eu fugia pra Londres ou Paris. E foi lá que eu comprei meus primeiros discos americanos importados. Foi em Paris onde fui exposto pela primeira vez à América. Porque era perigosa, multirracial, era bonita, era assustadora, era erótica. Eu dancei com Brigitte Bardot numa festa! Eu lavava o chão por onde ela passava... quer dizer, eu estava no paraíso.Então, eu entrei para os Animals e tudo acabou. Nós ficávamos trancados dia e noite, sob proteção policial. Nos Estados Unidos, a garotada nos perseguia em todos os lugares. O único lugar que tínhamos pra escapar era para os bairros negros da cidade. E ter contato com a música que eu amava e conhecer pessoas incríveis como B.B. King, John Lee Hooker, Rufus Thomas, Carla Thomas. Entre as brechas das apresentações com os Animals eu fugia e fazia da minha vida algo que eu chamava de 'mais normal', o que outras pessoas chamariam de 'anormal', perigoso ou estranho, não importa... claro, foram momentos extraordinários. Eu admito. Houve momentos maravilhosos, mas eu sabia que não iria durar pra sempre. Eu estava literalmente casado com outras quatro pessoas. E a gente sabe que um casamento é o bastante, que dirá um com quatro ou cinco pessoas.E nós estávamos sendo ferrados por nosso empresário [o americano Mike Jeffrey, que depois seria empresário de Jimi Hendrix, teria desviado dinheiro de seus clientes para contas em paraísos fiscais. Ele supostamente teria ligações com a máfia] e eu estava sendo ferrado pelos membros da banda também. Então, acordei um dia e me dei conta que depois de anos me arrastando pela estrada até a exaustão, desabando, não havia nada, tinha tudo acabado. Era tudo uma grande mentira. E foi uma mentira que me acompanhou onde quer que eu estivesse dali por diante. Todo acordo que eu fizesse, toda gravadora com quem eu tratava, todo empresário que tentava me controlar jogou com meu passado. Todos eles me ferraram. Se você está na estrada, se você está em Hamburgo, e seu dinheiro vai parar numa conta bancária nas Bahamas, é fácil ver pro bolso de quem ele foi.Continua...
Psicografado by Spam_Master at
4:24 PM 2 comments

Esqueletos no Armário, parte 3 !!!

We Gotta Get Out of this Place:







Como foi pra você, garoto ainda, excursionar em 1963 com Sonny Boy Williamson?

EB: Ele tinha fama de ser um cara durão, meio rude...Eric Burdon: Sonny Boy era um sujeito e tanto e, na verdade, era um cara muito afável. Ele era muito gentil, tipo cavalheiro, mesmo. Mas, infelizmente, era um alcoólatra e eu o vi beber até morrer em um espaço de dois anos. Sonny Boy era o típico negro americano urbano daquela época, com reputação de ser mal-educado ou grosso. Mas era apenas porque eles estavam sob cerco da sociedade e eles tinham de reagir. No caso de Sonny Boy era a bebida. Ele se achava no paraíso porque podia comprar na Inglaterra daquele tempo uma garrafa de Johnnie Walker Black Label por um preço que não existia em Chicago. E o empresário ficava feliz em supri-lo com mais e mais. Eu me lembro quando Howlin Wolf veio pra Inglaterra e arranjou uma baita discussão com a agência por eles estarem alimentando o vício de Sonny Boy.Você falou de escolas de arte, Lennon, Townshend, McCartney são alguns que também passaram por elas, e todos, como você, com talento pra desenho, pintura..não se vê isso em outras gerações de músicos.

EB: Eu acho que é porque eu tive as mesmas experiências que tiveram todos os caras que acabaram indo pro rock. Você chega à conclusão de que seriam as escolas de arte. Mas nós éramos uma grande farsa (risos). Você ia para a escola de arte porque queria ser um artista. Mas, na verdade, eles estavam apenas testando quem na classe poderia ser utilizado na indústria. Eles não nos davam nenhuma pista, nenhum encorajamento de como ser um artista... era o contrário! Era um truque pra pegar você e colocá-lo numa fábrica. Pra fazer ilustração técnica de uma companhia de relógios, entende? Quer dizer, você terminaria vestindo manequins numa vitrine ou expondo roupas e móveis... e não era isso o que eu queria. Então, quando o rock apareceu, com seus heróis rebeldes, principalmente quando os caras brancos vieram em turnê para a Inglaterra, Gene Vincent, Eddie Cochran, esses caras, era o que nós queríamos. Era o que eu queria ser, essa era a minha aposta, era a chance que eu queria.

Você gosta de quadrinhos? Seus desenhos lembram bastante HQs...EB: Quando eu estava na escola eu era o ‘traficante de gibis’ (risos)... O que eu costumava fazer? Eu comprava por menos de um penny ou conseguia de graça os gibis ingleses. E eu mesmo os coloria com giz de cera e os passava para frente como gibis americanos. E com a grana que eu conseguia com a venda deles eu comprava os originais americanos. Minha imaginação de criança viajava com aqueles heróis, especialmente os da Del Comics. E havia um da Segunda Guerra Mundial (risos) que pra mim era real... eu ainda me lembro de um deles, uma frase predileta era [ele muda a entonação de voz] “Sinta o aço frio, japa! – e ele penetra sua baioneta entre a terceira e quarta costelas”. Yeah!! (risos). É incrível ver o que os filmes se tornaram. Os gibis viraram filmes e os filmes viraram gibis.

Nos anos 1960, sua canção Sky Pilot foi um sucesso e era uma música anti-belicista. O que você pensa do governo Bush?

EB: Eu acho as organizações religiosas a maior praga do planeta. Eu fugi um pouco da sua pergunta (risos) porque é a única forma de respondê-la. Tem a ver com Sky Pilot. A razão de eu tê-la escrito foi porque eu vi um filme de um padre colocando água benta no napalm que seria jogado no Vietnã. Esse foi o motivo para eu escrever Sky Pilot. Me parece que estamos em uma... que retornamos às Cruzadas do século 11. Agora, eu não estou dizendo – porque eu falei que religiões são uma maldição sobre o planeta – , não sou daqueles que dizem ‘sumam com o Papa, se livrem de Buda, desapareçam com...’, cada qual no seu galho! Mas não saia por aí e acerte a cara de alguém. Eu acho que maus negócios criaram essa situação. Maus negócios amparados por força física. Então, você comete um erro nos negócios e, em vez de tentar arrumar tudo para um novo acordo, é mais fácil enviar o exército, enviar a força aérea e fazê-los sentar e ver do nosso jeito. Mas não há nada que possamos fazer ou dizer a respeito. Eu moro em uma vilarejo de funcionários militares. Eu vivo perto da maior base de marines do mundo. Todos os meus vizinhos... a maioria é militar. Eu sou solidário, entendo o ponto de vista deles, mas eu acho que é datado! A guerra está fora de moda. Nós temos que pensar em outra coisa. Nós já estivemos em guerra antes.Diferentemente do que houve na Guerra do Vietnã, artistas nos EUA que são contrários à Guerra do Iraque são boicotados.

Por que isso?EB: Há uma grande diferença entre aquela época e agora. Hoje, você tem um exército totalmente profissional, você assina um contrato com uma agência governamental. E quando você assina esse contrato você não pode interrompê-lo. E no Vietnã eram convocados por sorteio. Portanto, houve um movimento antiguerra, mas havia disposição dos próprios militares. Muita, aliás. E agora é totalmente diferente, não há a mesma estrutura. Então, só podemos ter esperanças de que o povo enxergue algo. Como músicos nosso poder foi diminuído porque as coisas mudaram. Mas eu acho que muitos estragos foram feitos pela própria música. Eu não acho que a agressividade e as atitudes autocentradas do rap, por exemplo, estão fazendo algum bem para qualquer um. É um mundo diferente. O mundo mudou e eu me sinto incapaz. Eu me apresentei em maio na Disneylândia, onde eles se recusaram a vender meu álbum My Secret Life porque acharam que havia opiniões estranhas ali. Mas eles queriam me contratar para três shows por noite durante o fim de semana do Memorial Day, ou seja, o Memorial Day Weekend! [feriado que acontece na última sexta-feira de maio nos EUA e que homenageia seus mortos e veteranos de guerra]. E eu estive no palco, em frente de crianças e tudo... então, eu fui alertado de que não podia dizer certas coisas, mas eu terminei dizendo no meu último show. Antes de deixar o palco eu disse ‘este é o Memorial Day. Eu espero que este seja o último, o último ano em que tenhamos que ter um Memorial Day’. Há liberdade de expressão, desde que você não diga muito. E isso foi apenas um ‘acorda, esse não é o jeito de fazer as coisas’. E o público aplaudiu e ficou de pé. Então, no meu mundo, ainda há um coração que pulsa, a batida ainda está lá, em algum lugar.


(Por Douglas Portari)Trechos ou mesmo a totalidade desse texto podem ser utilizados sem fins lucrativos. Mas cite a fonte, porra!

Imagens http://www.ericburdon.com/

Origem dos documentos:

http://calidiscopies.blogspot.com/search?q=eric+burdon

Olá velho muito boa, parabens Douglas e muito obrigado por nos presentear com esta publicação...muito produtiva e esclarecedora..e reflete muito bem a maneira de pensar de Eric Burdon ...na verdade estou tentando reunir arquivos jornalisticos recentes sobre Eric Burdon e este é muito mais que eu esperava, o cara se abriu mesmo para você, talvez já prevendo que talvez você tivesse dificuldade de publica-la como você gostaria que fosse, mas aqui na cantina amigo Douglas ela sai na Integra...parabens obrigado..a entrevista fala por si só...muito boa mesmo!!!Parabens...Beleza!

Beleza!!

10 de fev de 2008

ERIC BURDON & MARCELO NOVA - The Doors of Perception 2006 - Novos Links !!!

ERIC BURDON & MARCELO NOVA - The Doors of Perception 2006 - Novos Links !!!





THE DOWNLOAD LINK IS:

HTTP://SHAREBEE.COM/F921B7AB


Filename:

ERIC BURDON & MARCELO NOVA
The Doors of Perception ...rar
Size: 151.49 MB





Ou digite em seu navegador:

http://cantinadorock.blogspot.com/search?q=eric+burdon+marcelo+nova+the+doors+of+perception


Requisitada compilação de Eric Burdon e Marcelo Nova em novos Links para facilitar o acesso, pois devido a alta qualidade supera os 100 Mg, devido a este motivo alguns usuários tem dificuldade em gerar os arquivos portanto esta tarefa deverá ser feita manualmente!
Primeira Parte:




LINK ORIGINAL :

ERIC BURDON & MARCELO NOVA - The Doors of Perception 2006


THE DOWNLOAD LINK IS:

HTTP://SHAREBEE.COM/F921B7AB


Filename:

ERIC BURDON & MARCELO NOVA
The Doors of Perception ...rar
Size: 151.49 MB


Principal motivo dos novos links: Mensagens e mais mensagens acerca do mesmo tema!!!



apagar 7 fev (3 dias atrás)
Cletson:
Cara, já ví que vc postou alguns discos na comunidade discografias...Se vc tiver os discos e poder upar e colocar na comu fico muito agradecido:The Doors of Perception - ERIC BURDON & MARCELO NOVA...Em ponto de bala...O galope do tempo...Pô cara ficarei muito grato, pois nos links existentes eu não tô conseguindo baixar...Desde já muito obrigado.
Responder

enviar recado cancelar




Cletson:
Valeu mesmo cara, sua ajuda foi essencial, já tava pra ficar lôco rsrsrs...Qualquer coisa que precisar e eu podendo ajudar é só falar brother...Vlew!
Responder

enviar recado cancelar




anderson:
Ola cara e ai !!!!Olha me explica como baixa o Marcelo nova e eric buloc pelo badongo vem em duas partes dai como faço vem em arquivo diferente!!!Como faço? obrigaduu desde Ja e obrigado por postar os albuns!!!!valeu eu troco ideia com o lu stopa ex baixista veja em meus contatos e addd ele q vou avisar a ele !!!!!




enviar recado cancelar
apagar 9 fev (1 dia atrás)
anderson:
cara eu baixei no badongo veio em duas partes ab mas ele não veio como pasta zipada veio em arquivo desconhecido como faço!!!!Valeu um abraço e o brigaduu pela atenção!!!!!!
Responder




anderson:
Cara consegui so a p´rimeira parte 11 musicas """Faz o seguinte se der Vc pod mandar poe e mail pra mim m add ai meu e mail é *************!!!!Eu agrafdeço desde ja !!!!!!Obrigado!!!!por favor sou fã e faz um bom tempoq tou atras desse cd!!!!!Só vc pod me ajudar!!!!Um abraço!!!!!




anderson:
E ai Blza olha tentei de novo e não consegui a segunda parte do cd Se vc puder anexa as musicas q falta pra mim são as 6 ultimas ai vc manda no meu e mail !!!!
. e precisamos trocar umas ideias !!!!sobre o show do marcelo nova !!!!Nossa turma ta qerento fazer um show vamos ver no q da!!!!
Responder




Vai vendo fiz muitos camaradas ..mas situação ficou repetitiva demais!!!! rsrsrsrsrsrsrsr

Por ae deu para ter uma noçao de quantos e-mails e scraps recebi nestes dois ultimos anos...a respeito desses links...rsrs hoje esta compilação está sendo ...divulgada mundo a fora em diversos paises com linguas tão diversas que nem o translator consegue decifrar...e um pouco da mistica que se criou em volta dessa compilação se deve ao fato de muita gente saber que ela existe..mas não conseguir de fato obte-la...hehe ..a não ser com algumas dificuldades.....rsrsrs o link original permanece ativo a quase dois anos...mas existem muitos outros que surgiram através deste que não tinha nenhum objetivo...além de contar com uns poucos amigos...mas a linguagem do Rock And Roll é universal atravessou todas as fronteiras..e ninguem sabe mais de onde o link partiu!!!!




Se alguem quiser contratar shows de Marcelo Nova pode se contatar diretamente no site www.marcelonova.com.br ou contratar uma produtora que fara tudo de uma forma que não ocorra falhas, ou emprevistos que nomalmente passam desapercebidos para leigos e o que seria para ser uma festa legal ..facil facil se transforma num transtorno...para evitar estes micos e normalmente prejuizos ...consulte a Crazy Poppy Produção e Eventos do Rio de Janeiro : www.crazypoppy.com.br ..contatos com diversos escritorios de equipamentos tecnicos , transportes, estruturas, artistas e mais o que for nescessário alem da opinião pessoal dos Produtor Antonio Carlos Magalhães ...a mesma agencia que fez O evento Século XXI em Jandaia do Sul...em 1999 de onde foram retirados os arquivos sonoros de Grampeado em Público que também pode ser adquirido diretamente no site do Marcelo Nova!




Amigos é isto os links estão ae Divirtam-se em volume máximo! Abraço Beleza!

http://www.badongo.net/file/1639094




Amigos quem quiser material raro e original de Marcelo Nova como por exemplo o cd Galope do Tempo ou DVDs de shows deve procurar Ari Mendes ..pelo site www.marcelonova.com.br o material é sempre de primeira qualidade, numerados e alem de vir autografado por Marcelo Nova...chega rapidinho pelo correio, é legal baixar os links e curtir...mas sou eterno consumidor de material original ....apesar do controle total das gravadoras ainda é a melhor maneira de dar uma agradecida aos verdadeiros Artistas do Rock and Roll !!!!!
Abraço, Beleza!!!!