29 de mar de 2008

LOBSANG RAMPA - UM DE NÓS - O PRIMEIRO TIBETANO QUE NUNCA ESTEVE NO TIBET- SEGUI SEUS PASSOS..DESDE OS 12 ANOS!!! TAMBEM SOU UM LAMA!!!! FREE TIBET -

é melhor acender uma vela..do que reclamar da escuridão (Terça-Feira Lobsang Rampa)

LOBSANG RAMPA - UM DE NÓS - O PRIMEIRO TIBETANO QUE NUNCA ESTEVE NO TIBET- SEGUI SEUS PASSOS..DESDE OS 12 ANOS!!! TAMBEM SOU UM LAMA!!!! FREE TIBET -


Bem ao contrario da maioria das 160 postagens que fiz durante estes quases 3 anos a frente da Cantina do Rock, inicio fazendo um depoimento...

Devia ter uns 12 anos ...estava em Matinhos Litoral do Paraná..e chovia muito a dias..e sem o que fazeer comecei a ler um Livro de Lobsang Rampa...um monge Tibetano...na verdade o cara que influenciou toda a geração dos anos secenta e doravante...po a literatura era inigualavel...até hoje...aconselhável a todos...aventura, misticismo,conceitos morais, descrição historica...envolvente!

E hoje em 2008 o que falta ao mundo é justamente estes conceitos....


Lobsang Rampa
O Polêmico Médico de Lhasa

Às vésperas do lançamento da 34" edição de A Terceira Visão no Brasil, o escritor Lobsang Rampa ainda desperta polêmicas. Apesar de ter sido alvo de críticas severas - tanto quanto de glorificação -Rampa foi um dos escritores esotéricos que mais vendeu nos anos 60, e pode sei considerado um precursor da literatura do gênero.

Naquele dia, logo depois do pôr-do-sol, o garoto de oito anos foi levado a um aposento iluminado apenas por lamparinas. Um lama segurou sua cabeça com força. Sem qualquer anestesia, o instrumento pontiagudo foi sendo lentamente introduzido na testa, abrindo um orifício. Ali foi inserida uma palheta, que permaneceu no osso frontal por dezessete dias. A cirurgia teria estimulado a glândula epífise, ou pineal, que aumentou seus poderes de clarividência.

Impressionado? Você não está sozinho. Outras 132 mil pessoas, só no Brasil, não se esquecem desta passagem do sétimo capítulo do livro A Terceira Visão (The Third Eye), escrito por Lobsang Rampa em 1955.

O livro, publicado pela primeira vez pela editora britânica Secker & Paula Calloni de Souza
Warburg, foi um best-seller, com 80 mil livros vendidos em seis edições na Inglaterra, e 100 mil na Alemanha, além de edições com vendagens similares em toda a Europa e América do Norte.

Com todos os ingredientes de uma empolgante autobiografia, A Terceira Visão conta a vida de Tuesday Lobsang Rampa e sua formação como monge budista, até se tornar um lama e abade especialista em medicina cirúrgica. Aos sete anos, filho de um membro dos altos postos do governo tibetano, o pequeno Lobsang tem seu destino decidido por uma comissão de sacerdotes-astrólogos, que solenemente profetizam seu futuro durante uma grande festa realizada em sua casa em Lhasa, no Tibete. O menino deveria ser encaminhado ao mosteiro de Chakpori e passar por um severo preparo ético, teórico, religioso e aguçado através de provas de resistência física e mental. Ele deveria estar apto não apenas para exercer seu papel de médico, mas também para enfrentar um destino marcado por dificuldades, privações e sofrimento no Ocidente. Tendo como mestre o lama Mingyar Dondup, por quem nutre respeito e carinho quase filiais, Lobsang passa por inúmeras provações e conta tudo com detalhismo impressionante. Sua convivência com o décimo terceiro Dalai-Lama, suas experiências de quase morte, viagens astrais, clarividência; as expedições ao Planalto de Chang Tang a fim de conhecer e colher ervas medicinais; sua visita à "cidade morta" de uma civilização perdida, suas elucubrações quanto às diferenças culturais, sua fiel descrição de um ambiente carregado de mistério, inatingível à maioria das pessoas comuns, tudo isso faz da obra o tipo de livro que não se consegue mais parar de ler. A narrativa também é permeada por mensagens contra o preconceito: "É uma pena que tenhamos essa tendência para julgar outros povos segundo nossos próprios padrões". E de consolo: "A morte não existe. É um nascimento. Simplesmente o ato de nascer num outro plano de existência".

A história do menino tibetano que se torna um lama marcou época é foi um dos precursores da literatura esotérica dirigida às grandes massas. A linguagem, quase poética, de com preensão fácil, detalhista e cheia de prosopopéia, conquistou um público ávido pela necessidade de sonhar com uma realidade distante, misteriosa e praticamente inacessível.

Cenário Turbulento

Quase nada se sabia a respeito do Tibete, e o cenário sócio-cultural no Ocidente era tão nebuloso quanto a atmosfera impregnada de incenso dos mosteiros budistas. Na Europa do pós-guerra, a apreensão quanto ao domínio comunista dos chineses no Himalaia chamava a atenção para aquela região desconhecida do Oriente. Nos Estados Unidos, o livro de Rampa fez sucesso particularmente nos anos 60, em pleno movimento da contracultura.

A sociedade foi tomada por fortes sentimentos antibeligerantes. Os hippies pregavam paz e amor, o uso de drogas era estimulado como forma de reação aos vícios da sociedade conservadora. No Brasil, a primeira edição foi lançada em 1968, pela Editora Record. Era o ano da rebelião estudantil contra o regime militar, uma época em que o espírito revolucionário criava campo fértil e receptivo a tudo o que significasse a ruptura do status quo. O interesse por tudo o que fosse oposto sublinhou as diferenças entre Ocidente e Oriente, e este último, com seu misticismo e religião, passou a representar o inatingível e o paradisíaco. Os livros de Lobsang Rampa encontraram ali um nicho perfeito, e o resultado foi a conquista de um público em sua maioria leigo, porém fiel, que reagiu e ainda reage ferozmente diante das dúvidas que cercam a figura do autor, morto em 1981 em Ontário, no Canadá. Curiosamente, como fora previsto em A Terceira Visão.

Uma Farsa?
Afinal, quem era Lobsang Rampa?

Relatos do guru Agehananda Bharathi, autor de Light at the Center: Context and Pretext of Modern Mysticism (1976), dão conta de que quando a respeitada editora britânica Secker & Warburg recebeu o primeiro manuscrito de A Terceira Visão, então assinada por um certo dr. C. Kuon Suo - pseudônimo adotado por Lobsang Rampa – surgiram desconfianças acerca de sua procedência. Cautelosos, os editores enviaram cópias da obra para o próprio Agehananda, profundo conhecedor das tradições orientais. Seis meses depois, seu veredicto: tratava-se de uma falácia que não deveria ser publicada. "Quando li aquele livro, as primeiras duas páginas deram-me a certeza de que o autor não era tibetano, e as dez páginas seguintes, de que ele nunca havia estado no Tibete ou na índia e não sabia nada sobre o Budismo, nem sobre o tibetano, nem sobre qualquer outro", contestou.

Cópias da obra também foram enviadas a outros estudiosos do Tibete, entre eles Hugh Richardson, um dos últimos ingleses a residir em Lhasa antes da ocupação dos chineses, Marc Pallis, estudante britânico, e até mesmo Heinrich Harrer, autor do livro Sete Anos no Tibete, que ser viu de base para o roteiro do filme homônimo lançado em 1997. O filme, aliás, é uma deliciosa e intrigante confirmação de todo o universo descrito no primeiro livro de Rampa. As rodas de orações, o Potala, o telescópio do Dalai Lama, os chortens, está tudo lá. Detalhe: Sete Anos no Tibete foi escrito em 1953, e A Terceira Visão, em 1955.

Consultados acerca do manuscrito da primeira obra de Lobsang Rampa, tanto Harrer, quanto Pallis e Richardson foram da mesma opinião: o livro era uma fraude e seu autor, um impostor.

Suas admoestações pareceram não preocupar os editores que, independentemente das opiniões contrarias, e talvez antevendo o potencial de vendagem do livro, optaram por publicá-lo assim mesmo.

O que aconteceu é o que já se sabe: um sucesso de vendas, repercutindo no mercado editorial do mundo inteiro.

Para Harrer, Pallis e Richardson, um sujeito estranho de procedência duvidosa não tinha o direito de representar a cultura tibetana perante o mundo.

Excesso de zelo, ou Rampa seria mesmo detentor de conhecimentos cuja divulgação não interessaria a certos grupos? Seria de se esperar da superioridade ética de um lama revelações como "muros do Potala guardam-se blocos e blocos de ouro, sacos e sacos de pedras preciosas, e relíquias que datam de épocas remotíssimas?"

Pura indiscrição ou fantasia para atrair leitores incautos?

Seja qual tenha sido o motivo de preocupação, os três conhecedores dos mistérios tibetanos, decidiram contratar por conta e risco o detetive Clifford Burgess, que investigou a vida de Lobsang Rampa. Relatório final de Burgesss: o homem que se auto-intitulava lama tibetano jamais tinha estado no Tibete, não tinha uma gota sequer de aristocracia tibetana no sangue e era, na verdade, Cyril Henry Hoskins, nascido em Devon, Inglaterra, filho de um encanador. Nas horas vagas, freqüentava várias livranas e bibliotecas, dedicando-se a leituras esotéricas, notadamente A Doutrina Secreta, de Mine. Blavatsky, e outros de seu discípulo, Charles Leadbeater, sobre teosofia, ambos pródigos pelas descrições da cultura e da religiosidade orientais.

Forçado pela mídia e pela opinião pública a se explicar, o autor foi perseguido e, por fim, declarou: seu corpo era o de um cidadão comum que, por uma espécie de mediunidade, fora tomado pelo espírito de um lama tibetano.

Abriram-se então controversas possibilidades para a explicação de Rampa. De um lado, leitores de espírito mais aberto, absolutamente crédulos quanto à versão da mediunidade, ou canalização; de outro, os céticos, convencidos de que o autor havia forjado sua identidade e escrevera não mais do que um resumo fantasioso do que havia absorvido nas tardes passadas dentro das livrarias. Talvez o próprio livro de Heinrich Harrer tenha fornecido a ele embasamento para tão detalhistas descrições.

Estava lançada a polêmica. Mas parecia ser tarde demais. Rampa/Hoskins já havia conquistado milhares de fãs em todo o mundo, incluindo guias espirituais e até mesmo personalidades altamente credenciadas do meio acadêmico. Se era um farsante, não se pode negar seu talento literário. O livro foi um fenômeno de vendagem e, queiram ou não, entrou para o rol dos clássicos da literatura esotérica.

Polêmica Sem Solução

Qualquer pessoa com mais de 30 anos de idade e interessada em esoterismo ao menos já folheou um livro de Lobsang Rampa.

Para Otávio Leal, estudioso metafísico do Instituto Holístico Humaniversidade, de São Paulo, A Terceira Visão é um livro agradável, mas deve ser encarado como obra de ficção. "O autor pode até ter passado por algumas daquelas experiências, mas operação para abrir o chackra frontal? Isso não existe" - analisa. Outra fonte, que preferiu não se identificar, declarou que a linguagem utilizada pelo autor é extremamente metafórica, passível de interpretações equivocadas, e que trazer a literatura de Rampa para os dias atuais representaria um retrocesso.

Não é o que pensam seus editores no Brasil. "Estamos reformulando aos poucos as edições antigas de livros que são bem-sucedidos comercialmente", afirma Sílvia Leitão, da Editora Nova Era. Ou seja, a obra de Lobsang Rampa ainda tem potencial de vendas.

Há, no entanto, uma grande possibilidade de que as experiências abordadas por Rampa em seu primeiro livro realmente não causem, hoje em dia, o tamanho estranhamento que causaram em 1955. Não há comparação entre o volume de literatura especializada no assunto disponível à época e o que se tem hoje. Temas como viagens astrais, levitação, clarividência, se tornaram populares e, à medida que essas informações alcançaram o grande público, este aprendeu a filtrar com mais sensatez aquilo que é estapafúrdio do que é plausível e até mesmo objeto de estudos científicos. Qual é a possibilidade de algum leitor dos dias de hoje acreditar na existência do abominável homem das neves, mencionado por Lobsang Rampa em A Terceira Visão? Em alguns momentos, ele parece subestimar a inteligência de seus leitores, com frases que chegam a ser infantis, como "...ainda bem que a invisibilidade está além da capacidade de quase todos, e que só poucos, muito poucos, a conseguem atingir".

Em outro trecho, parece querer sair pela tangente,não se aprofundando em temas como as diversas formas de ioga, por exemplo. Ele é incansável, no entanto, ao longo de todos os capítulos, nas suas tentativas de nos convencer de que tudo o que conta é absolutamente real, por mais absurdo que possa parecer. "Imensas coisas que no passado foram objeto de escárnio, como a televisão e o rádio, a passagem dos anos acabou por demonstrar serem possíveis e verdadeiras ...assim é com relação ao que estou contando", frisa o autor em vários trechos da obra.

A mesma preocupação em parecer confiável se deu em O Médico de Lhasa, seu segundo livro, no qual ele continua a história a partir do momento em que deixa Chakpori e parte para Chunking, na China, a fim de complementar seus estudos de medicina e cirurgia. Ao narrar os primeiros contatos com os colegas da universidade e com seus professores, o inevitável choque cultural, o fantasmagórico encontro com a alma do mestre Mingyar Dondup, o autor mantém seu estilo detalhista. Nesse livro, Rampa também se aprofunda nos seus ensinamentos práticos, dedicando capítulos inteiros às várias técnicas de respiração e às viagens astrais, com uma preocupação quase "didática". Parece atender ao anseio dos leitores de A Terceira Visão, dos quais recebeu milhares de cartas do mundo inteiro, numa caixa postal de Fort Eire, no Canadá. Respondeu grande parte delas, prestando "consultas" gratuitas. Mas o fez a contragosto, como revela nessa nota publicada em um de seus livros: "As pessoas se esquecem de que pagam por um livro, e não por toda uma vida de serviço consultivo gratuito, pelo correio".

O Médico de Lhasa é pontuado por uma dose maior de realismo, como quando descreve o momento em que Rampa teria sido feito prisioneiro dos japoneses num campo de concentração. A crueza das torturas e execuções dá um tom sanguinolento à narrativa.

Se o objetivo era atrair mais leitores, não conseguiu. No Brasil, apenas 56 mil exemplares foram vendidos (ainda que este seja um número expressivo de vendas no Brasil). Aliás, nenhum outro de seus dezenove livros conseguiu o sucesso do primeiro. Sucesso que repercute até hoje. O próprio Dalai Lama (o décimo quarto), vez ou outra, ainda é questionado sobre as obras de Lobsang Rampa, ao que responde: "O que costumo dizer é que grande parte de seus livros é fruto de sua imaginação."

Louco ou escroque, verdadeiro lama ou farsante habilidoso, criticado pela maioria e glorificado por alguns leitores, a verdade é que Rampa, de alguma forma, foi um marco para toda uma geração.

Impossível provar ou desmentir seus fantásticos relatos. A busca da verdade é um caminho individual. Ou, nas palavras de Galileu Galilei: "Não se pode ensinar coisa alguma a alguém; pode-se apenas auxiliar a descobrir por si mesmo."

Se Rampa instigou milhares de pessoas a fazer suas próprias descobertas, como condená-lo?

A grande maioria dos críticos de Lobsang Rampa se rende ao fato de que ele trouxe o esoterismo para o palco das discussões populares. A descrição de suas experiências metafísicas e da cultura religiosa oriental vieram para a luz do interesse da opinião pública.

Este parece ser seu maior e irrefutável mérito.


Lobsang Rampa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Lobsang Rampa, (1910-1981) pseudónimo de Cyril Hoskins, foi um escritor Tibetano; com 20 livros publicados. No seu livro chamado A Terceira Visão, apresenta uma capa com um olho no centro da testa. Muitas polêmicas cercam o autor. Algumas pessoas afirmam que nunca saiu de Inglaterra, o que contradiz o que escreveu em seus livros, ao dizer que viveu a maior parte da sua vida no Tibete, onde adquiriu conhecimento suficiente para poder transmitir-nos nas suas obras. Mas para aqueles que conhecem sua obras, sabem que realmente não saiu da Inglaterra e justifica-se. Suas obras relatam toda a sua trajetória de vida, tudo é revelado pela "Transmigração" (a alma de um Lama se apossara do seu corpo físico, quando adulto, tomando a sua individualidade). Este foi o caso de Cyril Henry Hoskins e após a Transmigração, Sacerdote Lama Tibetano, chamado T. Lobsang Rampa. Grande mérito coube a Lobsang Rampa, como autor de vários livros os quais, à sua revelia, contribuíram, na época, de modo acessível e popular, para a divulgação de vários assuntos esotéricos e metafísicos e despertaram o interesse de milhões de pessoas para o foro espiritualista. Este autor e suas obras, revela um caminho elucidativo para aqueles que buscam o insólito, o transcendente, o Esotérico, por íntimo imperativo da sua consciência, suas obras alivia e muito a busca da grande maioria que parte sozinha, desaconselhada, indecisa e inocentemente ignorante nessa aventura. É um elo que faltava para o entendimento do sobrenatural, sem medos e receios uma leitura agradável e surpreendente. Toda sua trajetória de vida se resume em difundir os conhecimentos e os mistérios da vida, explicando muitos enigmas. Revela em suas obras, "...o alvorecer de uma verdade nova ou talvez um ponto de partida para indagações e reflexões que apontam outra ordem invisível, mas atuante e dinâmica, de causas e fenômenos..." T. Lobsang Rampa.

[editar] Livros de Lobsang Rampa

  • A Terceira Visão (The Third Eye, 1956)

Numa narrativa entremeada por detalhes sobre a vida no Tibete - os costumes e rituais populares que resiste á ocupação chinesa -, ele descreve sua experiência mística e os dons paranormais despertados após sua iniciação religiosa

  • Minha Visita a Vênus (My Visit to Venus, 1957)
  • O Médico de Lhasa (Doctor from Lhasa, 1959)

No livro, o autor afirmava ter nascido em Lhasa, capital do Tibete, onde recebeu o preparo para tornar-se sacerdote-cirurgião, sob as bênçãos do XIII Dalai Lama. Ainda jovem, sofreu uma operação especial para a abertura do seu "terceiro olho", que lhe deu poderes de clarividência. Anos mais tarde, após uma série de livros publicados, estudantes tibetanos da Inglaterra divulgaram a "descoberta" da verdadeira identidade de Rampa: Cyril Henry Hoskins, um pesquisador das ciências ocultas nascido em Devon, na Inglaterra. Questionado, Cyril declarou que seu corpo fora tomado pelo espírito de Rampa e que todas as informações contidas eram absolutamente verdadeiras. Polêmicas à parte, é evidente o conhecimento que o autor demonstra sobre os temas abordados em suas obras. Em "O Médico de Lhasa", continuação de sua autobiografia, Lobsang Rampa narra sua fantástica aprendizagem na arte de curar, suas experiências e descobertas na China ocidental e suas aventuras na Segunda Guerra Mundial, quando caiu nas mãos dos japoneses e conseguiu sobreviver às torturas afligidas por seus inimigos.


  • Entre os Monges do Tibete (The Rampa Story, 1960)
  • A Caverna dos Antigos (Cave of the Ancients, 1963)
  • Minha Vida com o Lama (Living with the Lama, 1964)
  • Você e a Eternidade (You Forever, 1965)
  • A Sabedoria dos Lamas (Wisdom of the Ancients, 1965)
  • O Manto Amarelo (The Saffron Robe, 1966)
  • Capítulos da Vida (Chapters of Life, 1967)
  • Alem do 1o Decimo (Beyond The Tenth, 1969)
  • A Chama Sagrada (Feeding the Flame, 1971)
  • O Eremita (The Hermit, 1971)
  • A Décima Terceira Vela (The Thirteenth Candle, 1972)
  • Luz de Vela (Candlelight, 1973)
  • O Sol oi AsPoente (Twilight, 1975)
  • Foi Assim! (As It Was, 1976)
  • A Fé Que Me Guia (I Believe, 1976)
  • Três Vidas (Three Lives, 1977)
  • O Sabio do Tibete (Tibetan Sage, 1980)

Estranhas Maquinas Revelam o Passado, o Presente e o Futuro ao Atônito Noviço Lobsang Rampa. o Leitor de o Sábio do Tibete Comungara de sua Perplexidade, Numa Viagem Fascinante, mas Absolutamente Verdadeira.



Este cara...trouxe a tona o que se espera do Tibet até hoje...Tolerancia...mas isto não é mais possivel e estou com os novos Monges Tibetanos..a situação é insuportavel...o governo chinês é mentiroso, arrogante ao esperar que o mundo acredite nas mentiras comparadas aos governos Iraquianos, Israelenses, Palestinos, Americanos, Norte Coreanos e outras ditaduras da America do Sul..pensão ser os donos da verdade absoluta e que o mundo tem que aceitar as suas mentiras de cabeça baixa...sabe INSUPORTAVEL PARA 2008...se existe realmente o espirito olimpico...este deve trabalhar para a libertação do ser humano...não existe nenhum comunismo eficiente na pratica ..o destino da China é o mesmo da União Soviética...se dividir em 15 colonias independentes... Liberdade ao Tibet e a todos os povos oprimidos!!!!


é isto ae...se existe uma causa no mundo hoje..a causa é esta!!!FREE TIBET!

Origem dos documentos:

http://www.lobsangrampa.net/index.html

http://www.ippb.org.br/modules.php?op=modload&name=News&file=article&sid=2023

http://pt.wikipedia.org/wiki/Lobsang_Rampa

A idéia hoje de 2008 é não julgar...

Li uns par deles..tenho certeza que fez muito bem ao mundo!!!

OBRIGADO!!!!

Muito melhor que muitas obras de fição de religiosos modernos e moralistas ao extremo que só levam preconceitos e ódio a humanidade...poucas pessoas realmente conseguiram mudar o mundo para melhor...podem critica-lo...mas ele conseguiu..lideres como Bush e este Ditador Chines, mentiroso ... que recuso a por o nome neste blog não conseguiram..sabe qual é o próximo produto enlatado que você vai consumir?

O espírito Olímpico..na China Comunista de um governo assassino de humanos!!!!

E vai engolir sem reclamar.....rs

Beleza!!!





7 comentários:

Anônimo disse...

FREE TIBET!!!!

FRED BENNING disse...

KRA ME EMOCIONEI COM ESSE POST,POS FUI LEITOR FERRENHO DELE NOS ANOS 70. VALEU! ABRAÇOS!

obs: QUE SAUDADE!

Venâncio Rock and Roll disse...

ae...bem legal...entaum tambem naum sabia de muita coisa ..quando comecei a ler lobsang rampa...por volta de 87 a 88..devo ter devorato uns sete oito livros e ae já viu...a im,aginação foi a mil...po bem legal..o mundo sob a otica de lobsang..acho mesmo que ele deu origem ao genero auto ajuda..ou paulocolhano...kkkk mas na verdade muito mais original e adequado a época...que permitia esta inocencia de acreditar em tudo...foi fundamental na criação da minha estrutura psicologica atual..valeu brother ...grande abraço!Beleza

rabellobueno disse...

Sou praticante do que deixou o grande lama... 'tamos juntos! Valeu. E saiu esse ano o último livro dele inédito no Brasil: O 'Minha Visita a Vênus.'Tá no: www.letrasdeouro.com.br

Abraços!

Anônimo disse...

já todos os livros dele e adorei todos tanto é que estou a ler dinovo, e uma pena que onde morro não tenho ninguem para comentar..... adoraria trocar ideias sobre ele..... bjssss

popoca disse...

LI QUATRO LIVROS DE RAMPA, A TERCEIRA VISÃO, O MEDICO DE LHASSA, ENTRE OS MONJE DO TIBE E O EREMITA. VERIFIQUEI QUE SEUS LIVROS FORÃO FEITOS DA SUA IMAGINAÇÃO. PORQUE EM O MÉDICO DE LHASSA ELE DEICHA ESCAPULIR QUE A IMAGINAÇÃO É UMA FORÇA DIFERENTE DA FÉ. E ELE USA O SUGESTIONAMENTO ATRAVEZ DOS SOFRIMENTOS DELE E OUTROS MONGES PARA INFLUENCIAR PSICOLOGICAMENTE OS LEITORES. E EM O EREMITA ELE FALA DE UMA ABDUÇÃO EM QUE UM DOS ¨DEUSES¨CARCELEIRO OU MEDICO PARA MOSTRAR DETERMINADA CIDADE LIGA UMA ¨TV¨ DE BOTÃO, UÉ ELES TINHÃO PODERES DE TELEPATIA E LEVITAÇÃO PORQUE TINHÃO QUE USAR BOTÃO NEM TINHA UM CONTROLE REMOTO E A MENTE PARA MOSTRAR A IMAGEM. O SER HUMANO NÃO CONHECE O MATERIAL DIREITO QUANTO MAIS O ESPIRITUAL,. AI APARECE MONJES, LIDERES RELIGIOSOS APROVEITÃO DA IGUINORANCIA DO LEITOR. ESCREVEU ERASMO DE ROTTERDAN: NA TERRA DOS CEGOS, QUEM TEM UM OLHO É REI. OBRIGADO PELA OPORTUNIDADE ...!

Antenor disse...

O escritor 'Lobsang' se trai mesmo e é 'pego na mentira' quando deixa escapar DATAS PRECISAS em suas terríveis (e fajutas) previsões no livro "Capítulos da Vida". Ainda bem que ele cometeu esse grave erro, pois eu já estava um tanto fanático, na época,c/ 15 anoa,acreditava e minha imaginação ia a mil c/ essas 'aventuras tibetanas'. Graças a Deus, ele se desmascarou, pois as previsões dele diziam que em 1984 racharia a superfície terrestre e iriam aportar por aqui extraterrestres 'bonzinhos'! Escapamos por pouco!(dele e dos ET'S) ! Apesar dele, FREE TIBET !!